Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


A conquista da Libertadores e alguns entreveros – 1


Ao lado do presidente da Conmebol, o paraguaio Nicolás Leoz, o cartola colorado Arthur Dallegrave (D) se aventura pela política profissional tendo como marca o bem simbólico de milhões de brasileiros de alma colorada.

Mesmo sabendo que esta página é de política, por vezes não resistimos e terminamos por entrar em linhas meio traçadas na base da emoção que a todos aflige. Passou a Copa do Mundo de Blatter e nos atingiu em cheio aqui pelo pago ao sul a paixão colorada. Após tortuosa trajetória, uma relação de empatia explícita e fidelidade ovelheira afirmara uma massa com seu bem simbólico. Há dois anos atrás e tudo engatinhava, incluindo a belíssima Popular do Beira Rio e sua postura construtiva, bem ao inverso das chamadas torcidas “organizadas”.

enviar •
imprimir •

Ontem na noite invasora da madrugada chuvosa e fria da capital do Rio Grande não podia ser diferente. Uma massa e um povo se reencontraram com a alegria alimentada pela rivalidade local. No meio da festa, alguns detalhes revelam comportamento político e do oligopólio da comunicação, operando sobre a gigantesca torcida do Internacional.

Afirmo o que vi, e não use o lado B desta afirmação para tripudiar sobre “impressionismos empíricos e jornalísticos” conforme nos cansamos de ouvir. No caminho para o Gigante da Beira Rio, pululavam rapazes e moças pagas, distribuindo santinhos com imagem de políticos com alguma trajetória vinculada ao clube. Para não ser mesquinho, tal e qual critiquei a postura de um Paulo Odone, alguns dentre estes que se aproveitavam, não ficam desapercebidos. Ou seja, um homem como Luiz Fernando Zacchia e o próprio Artur Dallegrave não podem passar incólumes e impunes.

O primeiro é habituê da mídia local, operador do Pacto pelo Rio Grande, homem de confiança de Germano Rigotto na Assembléia e ainda assim posa de “desportista”. O segundo é o atual 1º vice presidente do Internacional SC, Arthur Dallegrave, concorrendo para um mandato de deputado estadual pelo PPS/RS, fazendo dobradinha com o cacique local Nelson Proença. Mesmo sendo dirigente histórico do clube mais popular do Rio Grande, isto, em tese, não legitimaria um carro de som tocando o hino do clube e difundindo material de propaganda do cartola colorado.

Será que os mais de 40 mil associados do Internacional são tão inocentes ao ponto de grudar a imagem vencedora do clube com a do dirigente histórico. E mesmo que o façam, isto é legítimo para fazer política?






« voltar