Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Adriano, o Imperador

Globo Esporte

O homem da Vila Cruzeiro não tem nenhuma obrigação a ser uma commodity domesticada nas ruas chiques a famosas de Milão.

por Odorico Ribeiro, brasileiro radicado em Caracas, maio 2009

Estivemos observando na mídia brasileira muita gente opinando sobre o Adriano e sua decisão de abandonar o Internazzionale, da Itália. Acontece que pela internet, vimos uma serie de reportagens bem constrangedoras. Por exemplo, o vídeo sobre a entrevista coletiva dada pelo jogador, que foi divulgado pela globo.com. Os comentários absurdos feitos ali pelo repórter que trabalhou essa matéria são incríveis. Ele, o repórter, não compreende que alguém queira outra coisa que não seja só dinheiro e fama. Pensará que quanto mais fama e mais dinheiro, melhor. Ele não entende o valor que possa ter para uma pessoa, estar com seus amigos e seus familiares, num determinado momento.

enviar •
imprimir •

Realmente é algo digno de se escutar. Esse comunicador social da Globo está completamente contaminado por uma cultura que o levou a pensar e a atuar dessa forma tão curta. Inclusive, seria um bom tema para estudos mais profundos, analisar se ele obteria ou não esse trabalho na Globo, se ele pensasse e atuasse de uma outra forma mais ampla.

O fato é que, justamente essa cultura curta e medíocre foi que facilitou e possibilitou a dominação de países inteiros e a escravização do ser humano. Somos uma civilização produto dessa pobre cultura.

E há outra cultura que a mídia brasileira desconhece? Claro que sim, só que essa outra cultura está sendo escondida o máximo possível, através de mentiras e enganos. Essa outra cultura é a cultura que estimula e enaltece a fraternidade, a paz, a inclusão social e o amor entre os povos e, obviamente, isso é algo proibido ainda, para muitos. Para muitos que não vêem o que realmente está passando. E é contra essa cultura curta e medíocre que há hoje no mundo todo, uma verdadeira avalancha de críticas e denuncias por parte de especialistas, instituições e países, todos buscando como livrar-se dela definitivamente.

Claro que o Adriano não pode ser feliz, vendo a seus amigos e familiares comer o pão que o diabo amassou, lá na Vila Cruzeiro. E, com certeza, há muita gente que vê essa atitude do Adriano com bons olhos, na esperança que ele venha a ser mais um porta-voz dessa gente tão sofrida das nossas favelas e dos nossos campos.

Ninguém como ele tem um conhecimento tão exato da miséria existente ali e, ao mesmo tempo, tenha tantas possibilidades de ajudar no combate contra essa peste insólita e criminosa. Se pensarmos bem em que época vivemos hoje, já essa miséria passou do meramente insólito ao absurdo completo, à loucura, pois. E cada um de nós já estarmos na fronteira, quase passando a ser cúmplices desse crime contra os mais oprimidos.

Obviamente, não sabemos ao certo quais são os verdadeiros sentimentos do Adriano. De todos os modos, não está demais dizer aqui que, se coincidimos, ele deve esforçarse o máximo possível, com seriedade, para manter-se na cima. Assim seguirá sendo foco de atenção e, por isso mesmo, terá direito à palavra, coisa fundamental. Claro, esse esforço seria dentro e fora de campo, pois ele teria de estudar e preparar-se para uma missão bem difícil e até perigosa. Muito mais perigosa que encarar a grande área inimiga, sem dúvida.

Só que desta vez, ele teria também a torcida incondicional de milhões e milhões de pobres, injustiçados e excluídos sociais, que necessitam enormemente da sua voz. E essa torcida não viria somente da Vila Cruzeiro. Nem seria formada somente pelos cariocas, ou pelos brasileiros. Pobreza há em todo o mundo para dar e vender. O que faz falta são verdadeiros Adrianos. Pelo menos o Adriano possível, que concebemos aqui.


Como Odorico chegou a esta página?

"Odorico Ribeiro é nascido no Rio de Janeiro, veio, como bolsista, completar seus estudos acadêmicos em Caracas, onde vive há 30 anos. Aqui, acompanha com grande interesse e admiração a todo o processo revolucionário bolivariano, liderado pelo Presidente Hugo Chávez. São tantas coisas boas passando ao mesmo tempo, que escreveu algumas linhas na excelente página Web alternativa e revolucionária venezuelana, Aporrea.org. Ali pôde obter o endereço eletrônico do Bruno Lima Rocha, a quem já havia visto na televisão local, participando como convidado especial em alguns eventos".


Obs minha (Bruno): recebi este correio com grata surpresa. Gostaria de haver conversado com brasileiros residentes na terra de Zamora quando lá estive. Pena que parte dos contatos acabamos estabelecendo depois. O texto de Odorico chegou antes de Adriano ser “contratado” pelo C.R. Flamengo (time para o qual não torço). Mas, se vale uma nota de curiosidade, é o retorno do homem da Vila Cruzeiro se dar de forma simultânea da permanência de Kleber Leite, ex-repórter de campo da Rádio Globo AM, dublê de cartola do Flamengo e empresário do futebol. A dívida da agremiação desportiva sempre cresce e Kleber Leite nunca empobrece. Para quem pensa que exagero, convido a esta singela leitura.”






« voltar