Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Os 1000 gols do país da falta de memória


Primeiro craque do nosso futebol, Friedenreich foi mais um gênio à frente do seu tempo e atrás da memória perdida dos brasileiros.

Ontem, segundo suas próprias contas, Romário atingiu os 1000 gols. Sinceramente, não há como ser ranzinza e mal humorado em se tratando do Baixinho da Vila da Penha. Mas, infelizmente, Romário é só mais uma daquelas exceções que contrariam as estatísticas.

enviar •
imprimir •

Caminha junto da regra essa, a ausência de memória como ferramenta de construção de um próprio povo. Mesmo no futebol. Na comemoração, todos se esquecem de que Eurico Miranda é manda chuva no C.R. Vasco da Gama. Todos esquecem também, de que antes de Pelé, aquele que pronunciou o discurso de proselitismo em pleno ano de 1969 (se lembram do AI-5?!), outro brasileiro de origem humilde e afro-descendente atingira 1000 gols ou mais, muito mais.

Seu nome até faz parecer aos incautos que se trata de um dos muitos imigrantes do inicio do século XX. Nas primeiras décadas do futebol no país, antecedendo ao Fausto, A Maravilha Negra; e a Leônidas “Diamante Negro” da Silva, reinava absoluto no ataque do aristocrático Clube Atlético Paulistano, dentre outros, o brasileiro Arthur Friedenreich. Filho de um comerciante alemão com uma lavadeira, mulher negra brasileira, foi o craque do Brasil quando sua pele era causa de vergonha para as diretorias dos ainda clubes amadores.

Em um momento histórico como o de ontem em São Januário, era a oportunidade de recordar e traze para a imaginação dos brasileiros ao craque da época do amadorismo. Antes de Édson Arantes do Nascimento e Romário de Souza Farias, Arthur Friedenreich passou dos 1000 gols.

Pobre do país que perde sua memória até na maior das paixões nacionais.






« voltar