Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


A bola como paródia do tri mundial

www.saopaulofc.net

São Paulo tri campeão do Mundial interclubes.

Hoje o Brasil inteiro pôde acompanhar pelas emissoras de TV a chegada do São Paulo Futebol Clube à cidade e estado de mesmo nome. Um belo espetáculo fez a massa tricolor, recebendo aos seus jogadores, desde Cumbica até o Morumbi.

enviar •
imprimir •

Antes de chegar à sua casa, no estádio da zona sul de São Paulo, passou por um périplo tristemente clássico no país. Pegando carona na conquista sãopaolina estava o tucano e palmeirense José Serra. Da prefeitura localizada na antiga sede do banco falido por Quércia, Fleury e cia., a delegação segue rumo ao Palácio dos Bandeirantes. Lá irão se encontrar com o também tucano Geraldo Alckmin. Detalhe, o governador é santista.

O vexame da classe política em aproveitar-se dos momentos de euforia popular não têm fim. Serra pulava e vibrava como se fosse um membro da TUSP desde os anos 70. Certamente o governador, embora mais discreto e low profile, vai se soltar e comemorar como se o político fosse líder na Independente, ouvinte de Racionais e morador de terreno ocupado no extremo sul paulistano.

O próprio SPFC é uma paródia da vida nacional. Clube nascido da nata paulistana, rivalizando o PIB de sua diretoria com seus pares do Pinheiros e Paulistano, o São Paulo nasce da fusão de clubes. Torna-se popular à medida mesma que o clube vai ganhando campeonatos a partir de 1971, e saca sua massa tricolor não dos Jardins, mas da periferia da zona sul de São Paulo.

Talvez a alma de operadores políticos de gente como Laudo Natel, ex-governador de SP na ditadura militar e presidente do clube hoje tri do mundo, esteja contente com a vitória de seu time. Mas, certamente, com a composição da torcida, ah isso não. Contradições mil, o clube mais bem estruturado do país é também popular, e bota POPULAR nisso.

A torcida, ao menos os setores mais informados, deviam cobrar de Serra a liberação da Avenida Paulista. Embora a academia brasileira não entenda quase nada de seu próprio povo, os episódios da comemoração da Libertadores eram mais que esperados.

A multidão alucinada de alegria sente-se poderosa. A euforia torna-se agitação popular e desta para a revolta é um passo. Motivos, como todos sabemos, nunca faltam.






« voltar