Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Coluna Além das Quatro linhas – Semana de 15 de novembro de 2010

diref.org.br

O Estádio Mané Garrincha, inaugurado em 1974, é mais uma obra absurda da ditadura, e ficará sem a tão necessária reforma (ou demolição, em função dos custos de projetos iniciais), determinadas pelas preferências da CBF pelo Fielzão.

Dijair Brilhantes & Bruno Lima Rocha


Martelo batido, mas quem vai pagar a conta?

Na semana passada, o Col (Comitê Organizador da Copa) bateu o martelo e definiu que o Fielzão vai receber a abertura da Copa de 2014. Faltou definir quem vai pagar a conta. O clube tem um pré-contrato assinado com a construtora Odebrecht, em torno de R$ 400 milhões, valor orçado para a obra da arena de 48 mil lugares. Para sediar a abertura, a FIFA exige um estádio com no mínimo 65 mil lugares. O valor estimado para o novo projeto beira aos R$ 700 milhões. Quem irá pagar a fatia que falta? O governo paulista afirmou diversas vezes que não usará dinheiro público na construção de estádios. Cumprirá a promessa? Vamos acreditar que sim, afinal o Morumbi perdeu de sediar os jogos de 2014 por este motivo. O que vale para o São Paulo valerá para o Corinthians, ou não?

enviar •
imprimir •

Em Brasília a notícia caiu como uma bomba. Afinal a capital nacional sonhava com a abertura. Ao menos houve bom senso, o governador eleito do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (por sinal ex-ministro dos Esportes), admitiu alterar o projeto do Estádio Nacional de Brasília, o Mané Garrincha. Pois não há necessidade de um estádio para 70.000 pessoas, se não vai receber o jogo de abertura. O (futuro) novo governador, enviou uma carta ao presidente da FIFA Joseph Blatter, solicitando o manifesto oficial da entidade. Esqueceu Agnelo que quem fez o anúncio foi o “Ditador” Ricardo Teixeira e com toda certeza com o aval do Srº Blatter.



Árbitros e mais árbitros

O protagonista da rodada (a do fim de semana do feriadão da república decretada por um Golpe de Estado no Campo de Santana, em 15 de novembro de 1889) foi o árbitro da partida Corinthians e Cruzeiro, Sandro Meira Ricci. O homem de preto, “roubou a cena” após apitar um pênalti a favor dos paulistas aos 44 minutos do segundo tempo. Na opinião desta coluna o pênalti ocorreu, ao contrário de tantos outros apitados em favor do “Timão”. A pergunta que fica é: - Se fosse ao contrário teria coragem o apitador de assinalar? O jogador cruzeirense Roger Flores (o badalado namorador de Adriane Galisteu e Deborah Secco), que atuava no Corinthians no polêmico brasileirão de 2005, disse saber como funcionam as coisas no Parque São Jorge. O ex-presidente Alberto Dualib também sabe, ou sabia, e nada dizia, e agora disse algo, que ficou pairando no caminho.

O presidente do Palestra Itália mineiro Zezé Perrela, falou que havia pedido para que Ricci não fosse escalado, mas não foi atendido. O dirigente cruzeirense ainda chamou o árbitro de safado, e bradou para quem quisesse ouvir “o campeonato está comprado”.

É incrível como a arbitragem brasileira não tem nenhuma credibilidade. Sempre que há algum “erro”, coloca-se o campeonato sobre suspeita. Os culpados são vários e a lista enche vários camburões. Pelo visto, o fantasma de 2005 continua.



Na finaleira

O brasileirão terminou o domingo 14 de novembro com um novo líder. O Corinthians venceu por 1x0 o Cruzeiro, e assumiu a ponta de cima da tabela. O Fluminense jogando em casa não saiu do empate em 1x1 com quase rebaixado Goiás. No Beira Rio, em um jogo emocionante, o Avaí venceu o Internacional por 3x2, e segue com chances de permanecer na série A. O contrário do Grêmio Prudente, que após perder para o Atlético-PR em Curitiba, dá adeus a série A com três rodadas de antecedência (essa história de clube empresa que é adotado por uma cidade na outra ponta do estado nunca dará certo!). O Flamengo foi goleado pelo Atlético-MG por 4x1 na Arena do Jacaré (e para desgraça do Luxa, Capitão Léo e Cia., o urubu corre riscos...). Já o Atlético-PR, Botafogo e Grêmio ainda brigam por uma possível vaga no G4. O título segue indefinido, ainda há três candidatos. Na parte de baixo oito clubes brigam para escapar das três ultimas vagas que restam para o descenso.

Obs dos chatos e realistas desta Coluna: a mala branca já está correndo soltinha pelo Brasil varonil e ninguém faz nada. E quando a mala for preta, será que ainda terão fôlego para falar?


De volta

Três clubes tradicionais estão de volta à elite do futebol brasileiro. A última rodada trouxe de volta a série A, o Coritiba, o Bahia e o Figueirense. O futebol é que ganha com isso, os três clubes tem torcida, camisa, e tradição. Ao contrário do rebaixado Grêmio Prudente, que troca de nome e cidade a cada dois anos. O tricolor da boa terra está de volta após sete anos, dois deles na terceira divisão. O campeão da serie A de 1988 conseguiu o feito com duas rodadas de antecedência. America-MG, Portuguesa e Sport Recife brigam pela última vaga. Dentre estes seis clubes, temos três campeões brasileiros (considerando o título do Leão pernambucano) e uma vice-campeã (a Lusa). A cada ano que passa a série B se afirma, afastando as possibilidades de esquemas de virada de mesa, como o que trouxe de volta à superfície o hoje vice-líder do Brasileirão, o tricolor das Laranjeiras.


Dijair Brilhantes é estudante de jornalismo & Bruno Lima Rocha é editor do portal Estratégia & Análise.






« voltar