Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


A política partidária sobrepondo até a rivalidade Gre-Nal

Samuel Casal

Mistura tudo, bota no liquidificador e expulsa o resultado!

24 de julho, Anderson Santos (editor) & Dijair Brilhantes

Na Argentina, no maior período de tensão entre os Kirchner e os grandes grupos midiáticos, era bem comum ver um K em faixas das torcidas organizadas de clubes. No Brasil, é muito comum ver presidentes e dirigentes de times se candidatando e sendo eleitos, mas romper a barreira de uma das maiores rivalidades do país é impensável. Quer dizer, era.

O candidato a prefeito de Porto Alegre, José Fortunatti (PDT) conseguiu unir as torcidas de Grêmio e Internacional por uma mesma causa, segundo ele, “pelo amor a Porto Alegre”. Infelizmente não se trata de uma ação social, nem na busca de melhorias para a cidade, e sim em torno de sua candidatura à prefeitura da capital gaúcha.

enviar •
imprimir •

Tudo começou no dia 18, antes da partida em que o Grêmio venceu o Sport, de virada, por 3 a 1. Na sede da Geral do Grêmio, maior torcida não organizada do clube, oficializou o apoio da mesma ao ganhar uma camisa e um cachecol, destacando que eles fazem a diferença. Os dirigentes da torcida teriam dito que o candidato ama a cidade do mesmo jeito que eles amam o tricolor gaúcho (argh!).

Como se “só” isso não bastasse, o texto no site do candidato já dava a dica do que viria no dia 22, antes da vitória do Internacional por 4 a 1 contra o Atlético-GO, estreia de Fernandão como técnico colorado – isso mesmo, de diretor executivo a técnico, que não fritem outro ídolo!

No documento “Fortunati é 12”, a Camisa 12 do Internacional oficializou o apoio da torcida organizada colorada, que tem cerca de 600 membros, ao candidato que é conselheiro do Grêmio. Contradição? Para quem acompanha a política brasileira e suas idas e vindas, com Lula aparecendo ao lado de Paulo Maluf, nada é de se estranhar...

No Impasse da Copa

Causava-nos certa estranheza o posicionamento passivo do então prefeito durante o impasse envolvendo Internacional e Andrade Gutierrez nas obras do Estádio Beira-Rio. Visivelmente, Fortunatti preferia o discurso ameno, parecia mesmo não querer se “queimar” com metade do Rio Grande do Sul, mesmo que isso pudesse ocasionar a perda da sede do mundial, semelhante o que ocorreu com a Copa das Confederações.

Para o “bem da cidade”, e vemos agora que também da sua candidatura, tudo acabou se resolvendo sem precisar de sua intervenção, quer dizer, imagina-se que não.

Mas é fato que esse apoio para a manutenção do Beira-Rio até onde se pôde como sede da Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 deve ter ajudado a “modificar” a cabeça dos torcedores colorados que acabaram por assinar o apoio ao candidato conselheiro do Grêmio.

Não que seja impossível um torcedor gremista votar num colorado e vice-versa, até mesmo porque política é bem maior que isso, ou deveria ser, mas imaginar que duas torcidas organizadas famosas apoiem o mesmo candidato, explicitamente torcedor de um dos clubes, é muito estranho para uma terra que preza a disputa Gre-Nal, do jornalismo esportivo às “flautas” do cotidiano.

O futebol não merece isso

Esse é mais um exemplo que o futebol, por ser evento que atrai massas, acaba sendo usado para fins pessoais. Usar as torcidas dos clubes para campanha política não é algo inovador, basta vermos que alguns presidentes de clubes brasileiros exercem também cargos públicos.

O que mais nos preocupa é saber exatamente o que o prefeito licenciado prometeu para estas agremiações em troca destes apoios? Caso eleito, o futuro prefeito ficará devendo favores para estas torcidas?

Não estamos aqui dizendo que estas organizações estão sendo vítimas, que são inocentes, mas que é uma mistura para lá de estranha, isso é. Afinal, como estas torcidas definiram que ele seria o candidato que apoiariam?

O temor destes articulistas com o apoio de ambas as torcidas é a influência que isso pode ocasionar. Na hora do eleitor escolher em quem votar, quantos deles poderão fazer a escolha por José Fortunati (não estamos aqui questionando se ele deve ou não ser o prefeito) unicamente por este receber o apoio das maiores agremiações dos dois clubes de maior torcida do Estado e não por suas propostas?

Estas torcidas que carregam no seu símbolo o nome do clube ao qual pertencem também estão se aproveitando da situação para se promover. Quantos dos integrantes destas torcidas foram consultados para promoverem o apoio? Este foi sugerido por quem?

Algumas perguntas que ficam no ar, e sabe-se lá quando teremos alguma resposta.

Candidato do clube

Em Alagoas, o Centro Sportivo Alagoano (CSA), maior campeão estadual, resolveu definir os seus próprios candidatos nas próximas eleições municipais.
Segundo o Conselho Deliberativo, os candidatos “próximos” ao clube seriam chamados para um debate e após isso ficaria definido quem poderia ter sua imagem política ligada ao time com a maior, e talvez mais apaixonada, torcida alagoana.

Para quem já teve Fernando Collor de Mello, seu filho e seu primo como presidentes do clube, dentre outros políticos, parece-nos mais uma “oficialização” do que já ocorre desde os primórdios azulinos.

Enquanto isso, os torcedores cada vez mais têm que se acostumar a ter times bons apenas em anos eleitorais e a população alagoana aos piores índices sociais do país...

Não diremos aqui que futebol e política não devem andar juntos, mas que isso ocorra de forma realmente “transparente” e que gere benefícios reais à população. Com paixão não se brinca.






« voltar