Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Um campeão em ruínas

esporte.uol.com.br

Dois meses separam o jogar para cima do jogar o Felipão para fora

15 de setembro, Anderson Santos (editor) & Dijair Brilhantes

Dois meses e dois dias, mais sete pontos de distância da saída da zona do rebaixamento, foi o tempo que durou a nova lua-de-mel de Luiz Felipe Scolari com a Sociedade Esportiva Palmeiras. O Felipão vencedor havia voltado com o título da Copa do Brasil deste ano, mas a péssima campanha no Brasileirão não o segurou.

O tema desta coluna era outro técnico, o da seleção brasileira de futebol, mas a demissão de alguém com o histórico de Felipão, último campeão mundial com esta mesma seleção, é marcante. Não é o primeiro caso e nem será o último de um ídolo sendo "expulso" de um clube brasileiro, mas até que ponto os números são mais importantes? Respeito ou resultado?

enviar •
imprimir •

A segunda passagem

Luiz Felipe é o segundo técnico com mais jogos no comando do Palmeiras (407), atrás apenas de Oswaldo Brandão. Sua segunda passagem pelo Palestra Itália, começou em junho de 2010.

Bateu o saudosismo na época. Por mais que o técnico não tenha vencido nenhum título importante (apenas uma liga uzbeque) desde 2002, ainda que com grande passagem pela seleção de Portugal, a torcida e a diretoria esperavam resgatar o Palmeiras vencedor da parceria Palmeiras-Parmalat. Só esqueceram que para isso era necessário ter um bom elenco.

Mesmo com os reforços de Kleber (com quem Felipão teve problemas no final do ano passado quando o atacante deixou o clube) e Valdivia, o time não conseguiu boa campanha no Brasileirão daquele ano. Na Copa Sul-Americana, foi eliminado dentro de casa pelo Goiás após vencer o primeiro jogo das semifinais em Goiânia, gerando as primeiras dúvidas sobre o trabalho do treinador, visto como "antiquado".

Em meio a novas eleições do clube, o técnico gaúcho era visto como muito caro pela oposição. Porém, apesar de ter seu nome eleito, Arnaldo Tirone optou por não enfrentar a torcida e manteve o treinador.

Em 2011, os comandados de Scolari foram duramente eliminados do Campeonato Paulista, nos pênaltis para o rival Corinthians, após uma semifinal que jogou melhor ainda que com um atleta a menos.

O pior mesmo veio da Copa do Brasil, com nova eliminação nas quartas-de-final, mas com um vexatório 6x0 para o Coritiba no Couto Pereira. Foi a partir desta eliminação que as críticas, inclusive de torcedores, passaram a ser cada vez mais frequentes. A briga com importantes diretores do clube, como Roberto Frizzo (vice de futebol) eram públicas.

No Brasileiro, após uma campanha razoável no primeiro turno, o time se distanciou da zona de classificação à Libertadores e, rodeado de problemas internos, quase se aproximou da zona de rebaixamento, com uma grande sequência de empates.

Neste ano uma reação era necessária, o clube investia alto na comissão técnica, mas pouco no time. Luiz Felipe Scolari pedia publicamente reforços à diretoria palmeirense, mas quase nunca era bem atendido.

O técnico dizia que o time precisava de experiência, contentando-se com atletas que o dinheiro do clube podia pagar naquele momento, o que também gerou críticas do próprio elenco, que era desprestigiado pelo seu comandante.

A chegada do argentino Hérnan Barcos este ano amenizou a situação, ainda que os outros jogadores pedidos não tenham chegado por falta de recursos - para piorar, o caro volante Wesley se machucou na sua quarta partida pelo clube. Com as bolas paradas de Assunção seguindo como arma, o atacante virou outra, sendo um dos principais nomes na campanha da conquista da Copa do Brasil.

 

Título não acabou com a crise

Eliminado pelo Guarani nas quartas-de-final do Paulistão, com uma clara queda de rendimento, a Copa do Brasil parecia ser o único torneio que poderia segurar a paciência dos conselheiros e torcedores palmeirenses.

A classificação para as semifinais contra o Grêmio colocavam em campo um confronto entre técnicos que brilharam nos outros clubes, com forte favoritismo de Luxemburgo. Mudando o esquema de jogo, com o zagueiro Henrique como volante, e contando com a entrada de Mazinho no final do jogo para marcar o primeiro gol da vitória por 2 a 0, Felipão voltou às graças do torcedor.

Nas finais contra o Coritiba, o estilo "copeiro" do técnico suportou até mesmo os inúmeros desfalques, como o do atacante Hernán Barcos, no dia do primeiro confronto, por conta de uma apendicite (!).

Depois um logo jejum de títulos, o Palmeiras comandado por Felipão, foi campeão da Copa do Brasil a pouco mais de dois meses. Mesmo com um time limitado - com gol de Betinho e com Luan mancando por meia hora até o final do jogo -, o trunfo foi conquistado de forma invicta.

Mesmo na zona de rebaixamento do Brasileiro, o título nacional voltava após 12 anos, e ninguém acreditava que o time ficaria se arrastando no Z4 por muito tempo. Uma breve saída próximo ao final do primeiro turno (duas rodadas) até que chegou a dar alguma tranquilidade, mas derrotas atrás de derrotas acenderam o sinal vermelho.

Mudança de discurso

O bom momento vivido com a conquista da Copa do Brasil durou pouco. As más atuações no Campeonato Brasileiro voltaram, com um time que jogava bem, mas perdia por erros bobos. Mesmo com a classificação para a fase internacional da Copa Sul-Americana, que poderia servir de laboratório para a Libertadores do ano que vem, o agora ex-técnico palmeirense lutava para manter-se no comando.

É importante lembrar que, apesar das promessas, a diretoria alviverde começou a desmontar o time. O lateral-direito Cicinho foi vendido, deixando só Arthur para a posição. Sem conseguir fechar com alguém por falta de dinheiro, a diretoria resolveu ir ao passado, trazendo Obina, Correa e Leandro (lateral-esquerdo com passagem pelo clube em 2008).

Para piorar, a série de lesões no elenco seguiam, como a de Marcos Assunção, que o deixou mais de um mês fora, e a de Fernandinho, grata surpresa dentre os "baratos" contratados. O lateral-esquerdo vinha se firmando como alternativa a Valdívia e Daniel Carvalho no meio-campo, mas só voltará aos campos no ano que vem.

Apesar da derrota para o Atlético-MG, na segunda-feira, 10 de setembro, o discurso era de apoio ao técnico pentacampeão mundial. Em entrevista coletiva, o gerente de futebol remunerado Cesar Sampaio garantiu a permanência do treinador, dizendo que o clube não tinha intenção de mudar o comando técnico e nem Felipão queria sair. Três dias depois da entrevista, Luiz Felipe Scolari foi demitido.

As constantes derrotas acabaram com o apoio que Felipão recebia de parte do Conselho Deliberativo do Palmeiras. Como o alviverde vive um ano de eleição, e o Palmeiras corre um grande risco de ser rebaixado para a Série B do Brasileirão, o Conselho tenta dar sua última cartada para salvar a terrível gestão de Arnaldo Tirone de mais um fracasso.

Indicado e apoiado por Mustafá Contursi, Tirone sempre foi visto como marionete, dada a sua falta de atiitudes nestes dois anos como presidente do clube.

Erro de gestão

O Palmeiras vive uma crise política sem precedentes, e há muito tempo. Situação e oposição travam batalhas ferrenhas nos bastidores, respingando no trabalho dos jogadores dentro de campo - com direito a vazamento de informações sobre falhas de jogadores.

Pouco dinheiro é investido no futebol, principalmente dentro de campo. Na casamata, nos últimos anos o clube contratou três dos maiores técnicos do Brasil,(Wanderley Luxemburgo, Muricy Ramalho e Luiz Felipe Scolari), demitindo todos eles.

Enquanto a política do clube não se acerta, o Palmeiras corre sérios riscos de jogar pela segunda vez na sua gloriosa história a segunda divisão do Brasil, isso num no período de dez anos.

A sete pontos do primeiro que não é rebaixado, algo teria que mudar, principalmente com jogadores sendo afastados e com várias crises internas voltando. A história construída por Felipão, com o respeito dos milhões de torcedores do Palmeiras, continua e ficará gravada nas memórias dos palmeirenses.

A preocupação imediata tem de ser a de livrar um time com tamanha história de disputar a Série B novamente. Para depois, aí sim, expor os conflitos internos no processo eleitoral de janeiro de 2013, tentando achar alguém que possa jogar para o mar os ratos que seguem no barco alviverde.






« voltar