Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


A grande e surpreendente jogada do Santos

Diário SP

O presiddente do Santos, Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, fez o que parecia impossível: garantir Neymar até 2014.

16 de novembro de 2011, de São Leopoldo, Anderson Santos (editor), Dijair Brilhantes e Bruno Lima Rocha

Nem esta coluna, nenhum jornalista brasileiro, muito menos espanhol, inglês ou de qualquer outra parte do mundo imaginava que isso ocorreria. Dava-se como certo que em 2012, provavelmente após os Jogos Olímpicos, que o principal jogador do futebol brasileiro iria atuar na Espanha, fosse Real Madrid ou Barcelona.

O Santos Futebol Clube, que já teve um timaço com nomes como Gilmar, Pepe e o “Rei” Pelé; já contou com Robinho e Diego em grande fase; com dribles, pedaladas e jogadas de grandes nomes do futebol brasileiro e o maior nome da história do futebol acaba de, novamente, fazer história.

enviar •
imprimir •

2011 pode marcar não só o ano do primeiro título de Libertadores pós-Pelé (68 anos depois) ou de uma possível e magnífica vitória sobre o incrível time do Barcelona no Mundial de Clubes. Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro e sua gestão podem entrar para a história do futebol brasileiro ao não só renegar propostas de grandes clubes europeus, como manter o maior de nossos talentos por um tempo inimaginável, ao menos, até os 23 anos.

Na última quarta-feira, dia 9 de novembro de 2011, o presidente santista anunciou que o atacante Neymar havia renovado contrato com o Santos até a Copa do Mundo FIFA 2014 – como sempre lembramos, a Copa é deles (FIFA, Blatter, Havelange e cia.) e ninguém tasca, nem os tiram do nome oficial.

A entrevista coletiva foi destaque na imprensa mundial, pois era algo que ninguém esperava, principalmente quando a sua contratação pelo Real Madrid era dada como certa devido a uma série de testes que o atacante teria feito em companhia do diretor médico do time da capital espanhola. Os sites esportivos de lá ficaram ainda mais surpresos; os torcedores, em seus comentários, ficaram “revoltados” com a negação.

O mandatário santista disse que ligou para os presidentes de Barcelona e Real Madrid para comunicar a renovação. Segundo ele, o telefonema era só para manter um bom relacionamento, já que ambos sabiam do interesse do Santos de permanecer com Neymar. No momento em que o craque vive o melhor momento de sua carreira, em que está entre os 23 melhores jogadores do mundo, em anúncio realizado pela FIFA no mês passado, o Santos faz o que Neymar costuma fazer, uma grande jogada.

O mito

No ano passado, o camisa 11 santista negou o Chelsea (Inglaterra) e este ano, se tudo se confirmar, renega qualquer outro clube do mundo por, pelo menos, mais três anos. Vale lembrar que o responsável pela carreira do jogador é o seu pai – apesar de ser agenciado por Wagner Ribeiro, que já foi intermediário de Robinho e Kaká. Entre a opinião de todos que ele só poderá ser o melhor do mundo jogando na Europa, optou ficar ao lado da família, com o filho Davi Lucca nascido este ano contando muito para esta decisão.

É claro que para além das palavras do presidente Laor – que já se lançou à reeleição para o ano que vem – tem-se também toda a conjuntura econômica brasileira, que permite fazer parcerias para pagar um salário de mesmo nível que em qualquer lugar do mundo. O valor da moeda, mesmo com algumas quedas nos últimos meses, está numa posição boa frente às estrangeiras, com um bom valor. O Brasil é a sétima maior economia do mundo, caminhando para ultrapassar mais algumas – especialmente, as européias, continente que vive em crise.

O negócio se deu pela mudança no contrato. Neymar teria reduzido o seu vínculo de 2015 para 2014, podendo sair sem quaisquer ganhos para o clube após a Copa do Mundo – apesar de haver quem diga que, na verdade, o contrato foi ampliado até 2017, e não diminuído.

A multa rescisória, que era de 45 milhões de euros, aumentou ainda mais, apesar de não ter o valor revelado. Vale lembrar que os boatos deram conta que o Madrid oferecera isso para tê-lo no meio do ano, e poderia oferecer até 60 milhões de euros em janeiro. O Barcelona teria ofertado 53 milhões de euros para levá-lo em janeiro.

O jogador, que mais faz campanhas publicitárias no Brasil, recebia cerca de R$ 1,3 milhão de reais por mês e deve passar a receber, pelo menos, R$ 1 milhão a mais a cada 30 dias. O Santos retirou os 30% que tinha direito nos contratos do atleta.

Para variar, mesmo Neymar tem o passe fatiado e ninguém sabe como ficarão os “investidores” caso ele possa ser liberado sem qualquer ganho. 50% do seu passe pertence ao Santos; 40% pertence à DIS, braço esportivo do grupo Sonda; 5% da Teisa (Terceira Estrela Investimentos S.A.), que é formada por conselheiros do clube; e 5% ao Neymar (pai). Cogitava-se que a DIS teria negociado sua parte com o Real. O fundo de investimentos já teve rusgas com a diretoria santista por conta do meia Paulo Henrique Ganso.

Interferência estatal?


Mais um dos boatos que surgiram, assim que Laor anunciou a coletiva, dava conta de que o estatal Banco do Brasil teria ajudado para esta redefinição de contrato. A base para isso é que o presidente santista nunca negou que pediria ajuda à presidenta Dilma Rousseff para manter um “patrimônio” do futebol por aqui.

Neymar realmente é o novo garoto propaganda do BB, mas todos negam que isso tenha a ver com a renovação contratual. A ação de marketing do grupo seria visando a Copa do Mundo FIFA 2014.

Além disso, o Santos renovou contrato com outro banco – também ligado com o Governo, dessa vez no suposto caso do “Mensalão”. O BMG segue como um dos principais patrocinadores do clube até o fim do ano que vem. O clube receberá em 2012 cerca de R$ 24 milhões. O banco mineiro patrocina, seja no espaço principal, na barra da camisa ou nas mangas, muitos clubes do país, de diferentes estados e séries do futebol brasileiro. Só para citar dois: o alagoano ASA de Arapiraca (Série B) e o pernambucano Santa Cruz de Recife (Série D).

Segundo o presidente santista, o clube negocia com várias empresas interessadas em ter sua marca estampada no uniforme do clube. O calção será um espaço bem explorado pelo clube (vem mais um macacão de F1 por aí). O Santos pretende atingir os valores arrecadados por Corinthians e Flamengo, clubes de maior torcida do Brasil. Além disso, procura um novo fornecedor de material esportivo, já que a Umbro dificilmente permanecerá no clube no ano do seu centenário.

Aula de jornalismo


Algo não raro é ver dirigentes de futebol culpando a imprensa pelos seus fracassos. Mas às vezes, por incrível que pareça, os cartolas têm razão. O mandatário santista queixou-se que todas as semanas algum jornalista, ou veiculo de comunicação, colocava Neymar ou no Barcelona ou no Real Madrid, alguns acusando-o de mentiroso quando negava a venda do atacante.

Disse o presidente ter o maior respeito pela imprensa, mas sugeriu uma melhor escolha das fontes, ou revisá-las. Por mais que a busca pelo “furo” seja importantíssima, a confirmação da informação é ainda mais.

A surpreendente decisão de manter um atleta deste nível e a negação das certezas de todos até então deve servir para aqueles que gostam de cavar rumores e plantar boatos como certezas absolutas. O jornalismo, incluído o esportivo, precisa voltar a pensar na informação além do entretenimento e da audiência pela audiência. A cada fim de temporada há uma imensa quantidade de noticias (barrigadas) que acabam não se confirmando.

Mudança de rumos


Há quem diga que Neymar esteja mudando a “ordem natural” das coisas, em que grandes atletas dos países em desenvolvimento, ou subdesenvolvidos (América Latina, Ásia ou África) vão para a Europa. Isso estaria ocorrendo, ao menos, no caso brasileiro.

Não sabemos se ainda podemos “cravar” tal coisa. Continuamos crendo que este caso é uma exceção à regra. Num clube que fez todos os esforços e que, com muito profissionalismo gerencial, conseguiu contrapor também financeiramente, além de contar com os fatores familiar e passional, às propostas do exterior.

O caso do jovem Lucas Piazon, que aos 17 anos forçou sua saída do São Paulo para o inglês Chelsea no meio do ano, prova que ainda não dá para considerar a exceção como uma possibilidade de generalização.

Resta saber a partir das próximas janelas de transferência quantos jogadores de alto nível, ou em grande fase, continuarão por aqui. Quanto à volta, que isso não ocorra por falta de espaço no exterior. De qualquer jeito, o Santos entra mais uma vez na história. Ninguém peita três dos maiores clubes do mundo, Chelsea e, principalmente, Real Madrid e Barcelona em tão pouco tempo.

Nota de rodapé: O deputado federal Romário (PSB-RJ) tem razão ao afirmar que “o Pelé calado é um poeta”. Vem chumbo grosso por aí e esta coluna segue de antena ligada; aqui e no Periscópio da Mídia.






« voltar