Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Futebol e Política 2

E a nossa seleção, pentacampeã do mundo, acaba o ano mangueando petrodólares. Terminamos por jogar contraos Emirados Árabese a Liga do Kwait.

enviar •
imprimir •


Tudo para aumentar a fortuna da Nike, de Ricardo Teixeira e da cartolagem que o cerca. Pouco a pouco, a paixão nacional foi se transformando numa máquina de fazer dinheiro. É certo que os custos da seleção principal são caros, mas a CBF nem de longe passa por dificuldades financeiras.

Como um circo, vamos expondo nossos bens simbólicos, aumentando a distância já citada aqui nesta página entre Maradona e Pelé. Édson Arantes joga muito mais bolaque Diego Armando. Em todos os outros quesitos, perde disparado. O mesmo passa com a seleção de los hermanos argentinos. Jogamos mais bola que eles, e cada vez a distância dentro das 4 linhas aumenta mais. Mas, no resto perdemos de monte. Inclusive na dignidade.

A Argentina vai até a Inglaterra testar-se com um país desafeto inclusive ex-inimigo de guerra. Já a seleção canarinho vai beber no oásis dos petrodólares. Só faltava o general Médici, ouvido colado no radinho de pilha, torcendo para os gols de Pelé enquanto o irmão do Ernesto, não o Guevara mas o Geisel comandava a maior repressão já vista neste país.

A paixão nacional definitivamente não pertence aos brasileiros, mas aos contratos da Globo, Nike e a máfia do genro de João Havelange.






« voltar