Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Factóides da demagogia futeboleira Porteña-Portoalegrense


Antônio Britto, com as cores de seu time, pode receber os holofotes perdidos na privatização do Rio Grande e na quebra da indústria coureiro-calçadista.

Durante a Copa do Mundo da Alemanha, tive a oportunidade de escrever três artigos a respeito das mesclas de futebol e política. No primeiro da série, que se encontra nesta página e na do Noblat, abordei dois personagens, Macri e Odone. Leia-se, o atual intendente eleito da Capital Federal da República Argentina e presidente do Club Atletico Boca Juniors Mauricio Macri. E, no caso do advogado e latifundiário do pago, trata-se do ex-líder do governo Antônio Britto no parlamento do Rio Grande, ex-vereador da Câmara da Mui Leal e Valorosa cidade imperial de Porto Alegre e atual deputado estadual na base de apoio da professora de economia da UFRGS, a tucana Yeda Crusius.

enviar •
imprimir •

Após a conquista da Libertadores, o atual caudilho político, gorila e dublê de empresário Macri, menemista à morte e da turma de Martínez de Hoz, vencera o candidato kirchnerista no segundo turno da capital latino-americana do drama e da poesia melancólica. Macri ganhara apoiado na quintessência do peronismo manzanero, pegando carona nos lances do craque Riquelme e na paixão boquense. Sua legenda, capitaneada por Carlos Saúl Menem, há de se deparar com o ex-governador de Santa Cruz representado por sua esposa e operadora política, La Reyna Cristina. Briga feia se acerca da vizinha hermana.

No Rio Grande cada vez mais argentinizado, desregionalizando sua economia à la Menem, Paulo Odone tira da cartola uma jogada de mestre. Convida o conselheiro do Grêmio de Football Portoalegrense, o “doutor” Antônio Britto, ex-CEO do Grupo Azaléia, assessor de imprensa de Tancredo Neves, ministro da Previdência de Itamar e governador dos gaúchos, a sucedê-lo no Grêmio. O amor com amor se paga, a partir da paixão ferrenha e anti-crítica manifestada na final da Taça Libertadores, navegando pela internet pela mala direta de mais de 50.000 endereços eletrônicos de sócios e amantes do Imortal Tricolor, Odone produz um factóide brilhante.

Ressuscita Britto para a vida pública, este que batera recordes de rejeição e desindustrializou o estado, agora terá a chance de expressar sua “paixão”, ganhando mídia todo santo dia. O ex-presidente do Grêmio Hélio Dourado, em cuja gestão foi erguido o Olímpico, afirmou que o natural de Livramento não compareceu sequer a 10 sessões do Conselho em mais de 10 anos. Uma sessão por ano e lhe entregam, de forma indireta, o cetro da paixão que divide o Rio Grande. Enquanto reinará, Odone busca o Grêmio Empreendimentos, criando um factóide ainda maior, pondo abaixo o estádio na Azenha e ocupando o que resta de espaço no norte, no Sarandi decadente sendo revalorizado.

Maurício Macri ao lado de Gabriela Michetti, erguendo uma bandeira própria do senador Menem, o Partido para Una República con Oportunidad (PRO) – Compromiso Para el Cambio, quer realmente abrir uma “janela de oportunidade” no oportunismo político de manipular o futebol de forma grosseira. Derrotara ao ministro da educação Daniel Filmus, mas não consegue “desaparecer” com os fantasma de Cabezas e Yabrán, que certamente vão planar sobre seu mandato. En el lado de acá, Britto e Odone terão outro fantasma, chamado CRT, a flanar sobre seus cérebros meticulosos.

Mas, será, e digo será com tom de dúvida e esperança, que a imensa torcida tricolor se deixará levar por uma manobra tão explícita?






« voltar