Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


De Biro Biro e Caixa Dágua a Paulo Odone

gremio1903.wordpress.com

26 de novembro de 2005 - O dia da histórica Batalha dos Aflitos, onde o Grêmio obteve a surpreendente vitória por 1×0, quando tinha sete jogadores em campo, e voltou para Série A, numa das partidas mais emocionantes da história do futebol, e que ficou conhecida como "Batalha dos Aflítos"

Após a epopéia dos Aflitos no sábado, o Grêmio fez jus a seu apelido de imortal tricolor; e jogando com o coração no bico da chuteira, reforçou a mística e a glória da alma castellana que nos inunda.

enviar •
imprimir •

O mesmo fez o Internacional no domingo. Jogando contra o STJD, o Gibão, o Kia, o Edílson e contra toda a mídia nacional, o colorado fez jus ao sangue farrapo e para delírio de sua popular abriu 2 a 1 aos 42 do segundo tempo.

Nem bem a delegação do Grêmio de Futebol Porto Alegrense aterrisou nos pagos, Odone iniciou sua campanha para deputado. A única dúvida é se corre para estadual ou federal. Deve brigar por uma vaga com Íbsen, e estes dois disputarão uma das vagas no Parlamento do RS com Záchia. Ou pelo secretariado junto a Otávio Germano, ou quem sabe em especulações financeiras junto a Fábio Koffe.

Todos amam seus clubes, assim como Eurico Miranda ama o Vasco da Gama, Kléber Leite e Márcio Braga amam o Flamengo, a família Montenegro ama o Botafogo, o deputado da tropa de choque de Collor, Arnaldo Faria de Sá ama a Lusa e assim vai. Até o ex-presidente Collor de Mello chegou a demonstrar seu amor futebolístico presidindo o CSA de Maceió.

Enquanto isso as populares do Olímpico e do Beira Rio começam a perceber que clube e diretoria não são a mesma coisa. Uma onda mais parecida as barras bravas argentinas vai ganhando contorno. Isto ainda que Macri ame o Boca e Menem também fosse hincha Boca e o uruguaio Julio MariaSanguinetti hincha de Peñarol. Atéo generalíssimo Francisco Franco projetava seu poder através do esquadrão merengue do Real Madrid.

O significado da paixão e do amor dastorcidas ultrapassa e muito qualquer análise sociológica ou antropológica. Já o siginificado do usufruto do capital simbólico desta cartolagem e sua acumulaçãocomo capital político é facilmente contabilizado. Nunca é demais lembrar a candidatura do volante Biro-Biro para vereador, disputando uma vagapelo PDS malufista. E, mesmo na democracia corintiana, Adílson Monteiro Alves, ideólogo dessa bela experiência do futebol brasileiro, parceiro de Sócrates, Zenon e Casagrande lançou-se na política parlamentar concorrendo pelo PMDB-SP de Orestes Quércia.

Uma interpretação válida é que a instituição futebol brasileiro é uma paródia da realidade política onde vivemos. Nabi Abi Chedid e José Farah que o digam. Isto sem se esquecer do Caixa- Dágua e do sogro do Havelange.

João Sem Medo Saldanha sempre teve razão.






« voltar