Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


A simbiose da mediocridade com a subordinação

narotadacopa

O comandante de Dunga, Ricardo Teixeira, é um dos poderosos chefões do futebol mundializado como escala de negócios

19 de junho de 2010, após a vitória sobre a Coréia do Norte por 2 a 1 na 3ª 15 de junho e restando mais de 24 horas para a partida contra a Costa do Marfim; Bruno Lima Rocha,

Vivemos um paradoxo. Estamos no país do futebol, aceitamos o esporte como cultura e em sua prática reconhecemos a corporeidade do brasileiro sincrético embora afro-centrado. Ao mesmo tempo, a nossa paixão significada na forma de quatro linhas e uma bola de couro, não se reconhece. O dilema ainda deriva da tradição do bastardo, do filho sem glória, ou do mito da superação e competência como superior à comunhão e o encontro solidário entre os semelhantes. Explico.

enviar •
imprimir •

O pensamento conservador aplicado para o esporte é a simbiose da mediocridade com a subordinação. Assim, o gaúcho de Ijuí até pode sagrar-se campeão do mundo, mas ao seu modo. Modo esse que é o menos brasileiro possível. Quem assistiu a murrinha de Brasil x Coréia do Norte lembrou-se imediatamente do ano de 1994. Ganhamos, sim, com direito a vôo da volta recheado de muamba e a taça seqüestrada na base da troca de reféns no aeroporto. O poderoso chefão, patrão e padrinho de Carlos Caetano Bledorn Verri e de Jorge de Amorim Campos Oliveira recusara-se a levar os então tetracampeões para o desfile em carro aberto caso a Receita Federal não liberasse a carga contida no AeroCBF. Pois bem, ganhamos sim, e daí? Daquele jeito, ganhamos como se não fôssemos NÓS, ou como dizia o saudoso e cada vez mais raro João Sem Medo Saldanha: “Nós quem cara pálida?”

Pois o cara-pálida agora é o boleiro do Brasil, que de tão assustado de se assumir como tal, confunde (ou auto engana-se), mesclando na poção mágica da estupidez, a disposição tática com o medo intrínseco dos que nunca se arriscam por não saberem o que fazer depois. Jogamos contra a Coréia do Norte com o mesmo “brilhantismo” das entrevistas coletivas recheadas de lugares comuns – ou seja, o senso comum condensando as idéias dominantes e vulgares – e com um painel assemelhado a letreiro de babel. E, como se sabe, o sargento que atende pela alcunha de um anão, é funcionário de uma transnacional vendedora de produtos alcoólicos ou derivados de química e açúcar (conhecidos como refrigerantes). No papel de parede onde se expressam os comandantes das quatro linhas comandados pelo Sr. da cartolagem e herdeiro ao estilo de Havelange, constam os seguintes logos: TAM Linhas Aéreas (a companhia cujo fundador morrera em desastre de helicóptero vindo de um churrasco na fronteira entre Ponta Porã e Pedro Juan Caballero no Paraguai); da Seara indústria de alimentos (marca subsidiária do Grupo Marfrig, também patrocinador da FIFA de 2010 a 2014); da Gillette aparelhos de barbear e higiene pessoal (marca da transnacional Procter & Gamble, que chegara ao país em 1988 ao adquirir a Perfumarias Phebo S.A); do Guaraná Antarctica (na verdade, da AmBev, pertencente a Imbev); da Nike indumentária esportiva, do Itaú sistema bancário e financeiro que recém incorporara o Unibanco da família Moreira Salles; e, da Vivo celular (joint venture comandada pela Telefônica de Espanha consorciada com a Portugal Telecom).

No futebol como um negócio espetacularizado pelas marcas no entorno e a inflação das commodities de chuteira, quando mais se exibem as marcas, menor é o espetáculo do futebol. Quanto mais estruturado é o jogo, menos se joga e mais se amarra. À medida que a chatice e o mesmo de sempre foram se espalhando, restaria ao produto original (por ser produzido por originais) ressuscitar a arte e não o malabarismo com a bola na cabeça (quando o boleiro vira dublê de foca amestrada). O paradoxo é que do jeito que as coisas andam na África do Sul, periga de ganharmos, mesmo sem merecer, mesmo sem jogar como brasileiros.






« voltar