Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Coluna Além das Quatro linhas – Semana de 14 março de 2011

Opopular.net

Muricy não deu entrevista coletiva, mas a versão não confirmada circulou ainda assim. Perde-se uma grande chance para passar a limpo a banda podre do futebol brasileiro,

Dijair Brilhantes & Bruno Lima Rocha


Muricy Ramalho pulou do barco – pelas ilações circulantes, ah se a moda pega!

Após ter demonstrado uma atitude rara no futebol brasileiro, quando negou o convite para ser o técnico da seleção em função de um contrato a ser cumprido junto ao clube das Larajeiras, Muricy Ramalho decepcionou ao deixar o comando do Fluminense. Após o empate sem gols no clássico contra o Flamengo, o treinador super-campeão pelo São Paulo anunciou que não era mais o técnico do tricolor carioca.

enviar •
imprimir •

 

A decepção não esta na sua saída do clube, e sim a maneira como se deu o acontecimento. Muricy nem sequer foi para a coletiva após a partida. Ninguém tem a obrigação de trabalhar onde não se sente bem, mas deixar o atual campeão brasileiro na difícil situação que se encontra na Copa “Santander” Libertadores (3jogos e 2 pontos) parece um claro abando de barco.

Muricy Ramalho alegou que o motivo de sua saída seria pela falta de estrutura do clube “do pó de arroz”. Só para lembrar os leitores, quando o Fluminense foi campeão brasileiro a cerca de 4 meses, não houve nenhuma referência a esta mesma suposta falta de estrutura. A ilação possível para que o treinador deixe o cargo é outra. Supostamente ocorre o seguinte. Correm nos bastidores que Muricy estaria sendo pressionado a escalar jogadores que pertencem à patrocinadora do clube (Unimed). Se este fato é verdadeiro o treinador tem motivos de sobra para deixar o clube. Caso seja verdade, mais uma vez prova que é um sujeito correto embora turrão. Afinal, ninguém deixa de assumir a seleção para cumprir um contrato e menos ainda deixa este mesmo contrato – e ganhando invejáveis R$700 mil reais por mês – por convicções. È um erro alegar que falta estrutura noclube quando o motivo – se é existente e real – é outro. Afinal, se a moda pega, teria de haver uma debandada de treinadores de bancos e titulares escalados por patrocinadores, investidores, pelos próprios técnicos e outras “parcerias” de indecente trajetória.

Para o Muricy que sempre fala o que pensa, culpar a estrutura do clube parece estar cuspindo no prato em que comeu.


Quanta pilantragem

Onze clubes teriam acertado o valor das cotas de transmissão das próximas edições do Campeonato Brasileiro (2011,2012,2013) com a TV Globo. Embora somente o Grêmio admita o fato (o clube irá ganhar cerca de R$ 60 milhões por ano), Botafogo, Flamengo, Fluminense, Vasco, Palmeiras, Corinthians, Santos, Cruzeiro, Goiás e Internacional já teriam um acerto verbal com a emissora da famiglia Marinho. Na ponta de cima das remunerações, um projeto de editar Real Madri e Barcelona tupiniquim, onde Flamengo e Corinthians ganhariam em torno de R$100 milhões por ano. Quando os clubes com maior torcida ganham mais, e por tanto com capacidade de retorno de investimento, está aberta a porteira para que nunca mais tenhamos um campeonato nivelado. A cartolagem poderia tentar indicar como os clubes pequenos e médios em escala nacional – mesmo que grandes em seus estados - sobreviverão na primeira divisão com cotas absurdamente menores? A idéia parece mesmo ser acabar com as chances reais de vitória dos clubes de menor expressão, concentrando riquezas e acumulando poder no eixo Rio São Paulo, e com ênfase nacional para o Parque São Jorge e a Gávea.

O futebol brasileiro cada vez mais esta indo para um caminho sem volta, o do quem paga mais leva. E ainda tem gente que acredita que a CPI da CBF vai resolver alguma coisa!


Mas... há bola também a rolar

No verdadeiro futebol, na essência do esporte bretão tudo vai bem obrigado, com a semana foi repleta de jogos com envergadura nacional ou latino-americana. Na Libertadores de América, o Cruzeiro segue goleando, fazendo 6 x 1 no Tolima da Colômbia. E ainda teve jornalista dizendo que o Tolima era um grande time, isto quando a equipe colombiana eliminou a turma do parque São Jorge. Jogando fora o Internacional não tomou conhecimento e também goleou o fraquíssimo boliviano Jorge Wilstermann por 4x1. Já o Grêmio ficou no 1x1 com a fraca equipe do León de Huánuco do Peru. O Peixe segue decepcionando, de técnico interino e com Paulo H. Ganso na linha, perdeu para o duríssimo Colo-Colo do Chile por 3x2 e complicou sua classificação as oitavas de final.

Na Copa do Brasil o Flamengo fez 3x0 no Fortaleza em pleno Castelão com bom público; e o Palmeiras 4 x0 Uberaba, com ambos eliminando o jogo da volta. Ipatinga e Avaí ficaram no 1x1, Brasiliense 0x0 Ceará, Sampaio Corrêa 3x2 Santo André e Paulista 0x1 Atlético - Pr.

Dijair Brilhantes é estudante de jornalismo e Bruno Lima Rocha é editor de Estratégia & Análise.






« voltar