Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


O ferrolho cafuzo de Parreira


Os homens de confiança de Ricardo Teixeira, umbilicalmente adeptos da filosofia da retranca.

Realmente, compreender o que se passa na cabeça de Carlos Alberto Parreira, é tarefa para poucos. Não vamos discutir táticas de futebol com ares de estratégia para o desenvolvimento nacional, mas que por vezes o homem de confiança de Ricardo Teixeira supera a nossa capacidade de paciência, ah isso supera. É provável que ganhemos o hexa, esta chance é grande, mas a forma de jogar é irritante, abusiva de nossa condição de torcedor brasileiro.

enviar •
imprimir •

Parreira está com tudo nas mãos. Nos bastidores, a CBF tem um peso relativo que, se fora exercido na ONU, seríamos uma potência global em todas as áreas. Fora de campo, a entidade do sogro de Havelange lhe oferece todas as vantagens e condições possíveis de trabalhar no mercado global do futebol. O Brasil ganha no tapetão, deita seu peso sobre as arbitragens e sempre será o favorito no esporte mais praticado no mundo. Para a seleção, sobram recursos, bolsas, patrocinadores e estrutura física. Temos tudo, menos uma cabeça sem vergonha de exercer nossa própria forma de jogar.

É certo que se a corda arrebentar, caem Parreira, Zagallo, Américo Faria e toda a turma do Rio de Janeiro, criada a partir da lealdade para com a panela do Velho Lobo e das boas relações deste homem com os manda-chuvas do futebol e do destino do país. Até a cobertura de mídia está a favor da CBF. A Globo quase não bate, reclama pouco, lembrando em seu íntimo que os 90 milhões em ação de 1970, hoje são 180 milhões; já a nave mãe, não apenas apóia o regime, mas é o regime, e faz de metalúrgico a príncipe da Sorbonne dobrarem-se de joelhos perante o clã dos Marinho.

Teríamos tudo e não temos nada...mas ao que tudo indica, vamos indo bem, crescendo em campo, contando com a sorte e a boa forma de Dida. A maldita mentalidade conservadora e defensiva, o gene da retranca, o ferrolho cafuzo oriundo do subúrbio carioca volta à carga na quarta vitória consecutiva na Alemanha. Pena que a vitória de 3 x 0 foi contra Gana. Quando o time brasileiro ganha de uma seleção africana, 65% de nós se sente ganhando de nós mesmos.






« voltar