Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Coluna Além das Quatro linhas – de 11 a 18 de abril de 2011

euteajudo

Ronaldo vai com tudo e tem sede de poder, abocanhando fatias gordas de talentos e passes do futebol brasileiro, sendo adesista de esquemas mundiais, como o da gigante WPP e compondo situações limite como o caso de Ganso; que por sinal ainda está desenrolando.

Dijair Brilhantes & Bruno Lima Rocha

Aprendeu rápido

Como diz o velho ditado, o que não presta aprende-se rápido. É o que parece ter acontecido com Paulo Henrique Ganso. O jogador resolveu entrar em litígio com o Santos, criando situações constrangedoras e já entrando voluntariamente na rede de arrasto da empresa de “consultoria” de Ronaldo Nazário. A mais nova invenção do “Fenômeno” entra como um rolo compressor, associada na gigante transnacional de marketing esportivo e adjacências, a WPP (voltaremos a este tema em particular em edições posteriores da coluna).

enviar •
imprimir •

Voltando ao caso do Ganso, após seis meses de afastamento dos gramados devido a uma grave lesão no joelho, o jogador resolveu que quer (ou parece querer) deixar o alvinegro praiano. Mas a pendenga é grande. O que esperar de uma negociação envolvendo o Grupo DIS, Andrés Sánchez e agora o novo empresário Ronaldo (9INE)? Ganso está disposto a trocar de clube e ficar no mesmo estado por alguns poucos meses. Especula-se que o chamado “poderoso Timão” seria usado como “barriga de aluguel”, com o consentimento de Andrés Sánchez e Ronaldo, para uma futura venda para a Europa. Nesta operação, cada parte leva a sua polpuda porcentagem e encerra-se de maneira triste a curta carreira de Paulo Henrique, o Ganso, no Brasil. Vale destacar que a multa rescisória para clubes nacionais é de cerca de R$ 59,4 milhões, valor bem distante dos cerca de R$ 102,8 milhões para clubes de fora do país.

O ainda jogador santista tem contrato até fevereiro de 2015. O Corinthians deve contar com a ajuda de um investidor (provavelmente anônimo – ué, isso poder?! Será a volta dos armênios iranianos, georgianos exilados em Londres para pagar pouco imposto?!) para pagar os cerca de 6 milhões de Euros. Isso garantiria o lucro em uma futura transferência para a Europa. O restante da multa seria pago pelo próprio DIS, e o futuro novo clube do atleta.

Para acabar a manobra, P.H. Ganso acionaria a Justiça do Trabalho para depositar somente a parte que cabe ao Santos (R$26,7 milhões) abrindo mão dos seus direitos. A genialidade de campo parece haver fora dele também. Aprendeu rápido esse novo drible o Sr. Paulo Henrique Ganso.


O Sr Blater só pode estar de brincadeira

Cerca de duas semanas após ter feito duras críticas as obras de estrutura para a Copa de 2014, o presidente da FIFA Joseph Blater, por algum motivo voltou atrás. O “poderoso chefão” do futebol mundial só pode estar de brincadeira. O que mudou de duas semanas para cá? Em um estudo feito esta semana, aponta que 10 dos 13 aeroportos com investimentos previstos para a Copa estão operando acima da capacidade. Oito deles devem estar prontos somente em 2018. O ministro dos esportes Orlando Silva disse que ninguém está mais preocupado com a Copa do que o Brasil. Quem tem que temer é o povo, porque no final da história surgirá uma operação “tapa buracos” e o custo vai triplicar. E, como não podia deixar de ser, o fantasma do buraco sem fundo do Panamericano ainda está presente.

O Sr. Blater deve estar realmente brincando. Afinal nada mudou, não temos um estádio pronto, o transporte tanto terrestre quanto aéreo continua um caos. Mas não há com o que nos preocuparmos, a Copa vai sair independente de quem irá pagar.


Dijair Brilhantes é estudante de jornalismo e Bruno Lima Rocha é editor de Estratégia & Análise






« voltar