Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


A conquista da Libertadores e alguns entreveros – 2


Tinga se comporta e é louvado como um símbolo vivo da Popular do Inter. Se este bem simbólico for materializado em vontade coletiva, muda a correlação de forças na interna do clube

Um dos fenômenos mais interessantes da bela campanha do Internacional na Libertadores foi a associação massiva. Não para o quadro de sócios patrimoniais, mas como sócio-torcedor. O interesse inicial é o de assistir aos jogos em um estádio que embora grande, perdera lugares em função da retirada da Coréia. Uma das clausulas desta associação prevê, após dois anos, a participação na vida política inerente aos destinos do clube. Pode parecer um detalhe, mas quando falamos de 40 mil pessoas que podem vir a participar de uma instituição que aglutina parte da identidade de milhões, isto não é pouca coisa.

enviar •
imprimir •

Acompanhando esta nova forma de associativismo, mais assemelhada aos clubes europeus, especificamente ao perfil do Barcelona FC, veio uma forma de torcer distinta. Buscando a “desorganização” democrática, se desmilitariza a torcida, retira-se o interesse das “organizadas” e cresce o fenômeno antes surgido com a chamada alma castellana, ou simplesmente a Geral do Grêmio. Na resposta a esta bela forma de torcer, criou-se a Popular do Inter, onde todos pagam ingresso, encontram-se para torcerem juntos no mesmo lugar (atrás do gol à direita das cabines de rádio) e literalmente pulam e cantam durante toda a partida.

Conversando com gente que freqüenta a Popular e tem experiência como militante de base, estes me comentam algo que observo todos os jogos. “A Popular é uma escola de agitação de massas”. E é mesmo. Animada em seu miolo por pessoas mais à esquerda toma por referência um belo comportamento de incentivo e cobrança. Considerando que quase todos também são sócios (a mensalidade gira em torno de R$ 30,00 por mês e dá direito a ir em todos os jogos do clube), esta é uma porta de entrada para a democratização de um clube de massas pela própria massa agora associando-se.

Na outra ponta do tema, na verdade meio anel inferior do Beira Rio à direita do gol, está uma das conseqüências deste fenômeno. Leia-se, as “organizadas” estão minguando, e junto com isto a influência maléfica de chefes de torcida sobre seus membros e sobre estes operam nefastos dublês de políticos e cartolas. Quando deixam de receber ajuda de custo do clube e cessa o fluxo de entradas “grátis” (o que é uma falácia, pois alguém sempre paga), começa a perder a “função” no mundo da bola a presença desta forma de se “organizar para se divertir”.

A agora consagrada Popular do Inter, pouco a pouco, pode ser a materialização de um movimento de democracia na interna de uma das maiores instituições do Rio Grande. Detalhe, tamanho amor e paixão é toda voluntária. Em tempos de descrença e frieza, esse potencial de mudança na sociedade deve ser cultivado e fortalecido.






« voltar