Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

ENADE: Nada de muito novo por aí...


Ao observar seus ex-companheiros implementando uma pratica pedagógica de competição e acirramento do individualismo, onde quer que se encontrem,gente como Paulo Freire deve estar se remexendo em lamúrias e malgrados.



Em novembro deste ano, os estudantes universitários novamente serão convocados a dar a sua “contribuição” ao sucateamento do ensino superior público. O ENADE (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes), substituto do Provão de FHC e Paulo Renato, será aplicado este ano em 15 cursos – dentre eles o de Comunicação Social. Como braço de avaliação estudantil do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), instituído em 2004 pelo Governo Lula (e considerado o ato inaugural do processo de “reforma” universitária), o exame exerce o papel de averiguar se as universidades estão sendo eficientes em formar mão-de-obra “qualificada” para o mercado.

As diferenças entre o antigo Provão e o ENADE são poucas. A mais importante delas é a premiação com bolsas de estudos aos graduandos com melhor desempenho na prova, algo que confere ao teste um claro mecanismo anti-boicote, mostrando o quanto a mobilização estudantil prejudicou a “normalidade” na aplicação do Provão do MEC. Fora isso, há mudanças superficiais como a aplicação da prova não só aos formandos, mas também aos calouros de cada curso.

A idéia de fundo é uma competição permanente; a escassez das vagas de trabalho pressiona o jovem; a loucura de “tudo é ou pode virar currículo Lattes”; de citar cinco imbecis e publicar qualquer porcaria com pseudônimo de cientifico; a trajetória da tutela acadêmica como forma de autocensura e molde da mente do futuro trabalhador especializado. A medida no 1º governo é uma bolsa-prêmio por bom comportamento na prova. Acreditem, o método de prêmios e castigos costuma ser essencialmente individualista e antidemocrático. Ou seja, que os freireanos em dúvida preparem seus corações porque algo muito pior virá no 2º mandato.

Apesar da política de incentivos, tudo o que motivava a gurizada a boicotar o Provão segue intacto:

- o caráter punitivo da avaliação, que, ao invés de tentar sanar os problemas de algumas instituições fazendo com que o MEC propicie maior injeção de verbas, simplesmente resulta no contrário, complicando ainda mais o que já estava em má situação.

- a indiferenciação entre público e privado, sendo que ambos os tipos de entidades são avaliadas da mesma forma.

- o ranqueamento, ao conferir uma nota de 1 a 5 dado ao curso, imprimindo a educação o caráter de produto a ser colhido na mídia.

- o desrespeito às peculiaridades regionais, já que a avaliação é a mesma para todo o país.

- por fim, a obrigatoriedade, pois o aluno que não comparecer ao local de prova, mesmo que for para boicotar, tem, quando de sua formatura, grande dificuldade para conseguir seu diploma.

Enquanto a UNE segue apática (lembrando a vocação getulista de sua fundação) frente a mais uma ferramenta de encolhimento das funções sociais do Estado, as executivas e federações dos cursos selecionados para a prova neste ano estão, a exemplo do que ocorreu já nos dois primeiros ENADE´s (em 2004 e 2005) mobilizando seus estudantes para o boicote.

Este fato, o da execução do método e critério de Paulo Renato e do Banco Mundial, e a resposta como boicote, é por si só bastante demonstrativo sobre a quem interessa este tipo de reforma do ensino superior levada a cabo por um MEC tão anti-Paulo Freire como o do mandato anterior .

enviar •
imprimir •






« voltar