Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A crise da política e a esquerda brasileira em crise – 1


Todos os homens do presidente, na versão brasileira dos escândalos da ex-esquerda quando chega ao governo e muda a sua própria trajetória.

2ª , 19 de março de 2007, Vila Setembrina dos Farrapos, Continente de São Sepé

Retomo minha contribuição neste portal trazendo para debate um tema muito presente. Já virou senso comum afirmar que a esquerda brasileira, embora tenha chegado a ocupar uma parcela importante do poder com a eleição de Lula, está em plena crise. Concordando com esta afirmação, gostaria de ampliar a idéia de crise da política, onde a função e o papel estão cada vez mais subordinados às lógicas outras, distintas das relações entre lealdade partidária e fidelidade programática.

enviar •
imprimir •

A posse de Luiz Inácio em 1º de janeiro de 2003 afirma um tipo brasileiro de “sonho americano”, segundo o vice-presidente e industrial do ramo têxtil, José de Alencar. Lula surge na vida pública a partir de um posto de interventor, ruma sua trajetória para a esquerda e depois a nega. Como disse o atual ministro da Justiça Tarso Genro, nega peremptoriamente a identidade com a qual flertou sem nunca chegar a haver sido de corpo e alma.

Poderíamos discutir este fenômeno como o preço da acomodação dos corpos, segundo uma mirada foucaultiana, onde a rebelião ou sujeição dos jetos, torna os sujeitos socialmente moldáveis. Assim, em bom português, vemos ao exemplo do professor de sociologia da USP Fernando Henrique Cardoso bradar “esqueçam o que eu escrevi”. Infelizmente, o problema maior não é se esquecer uma leva de conceitos colonizados, mas sim o efeito de desconstrução das identidades políticas que esta frase gera.

Se assim não fosse, porque a geração fundadora da extinta Ação Popular, encabeçada pelo finado Sérgio Motta e o atual governador de São Paulo, José Serra, tenha encarnado a terceirização do Estado brasileiro?! O mesmo se pode afirmar hoje, quando se encara com senso crítico a forma de vida pública de militantes históricos da esquerda brasileira como José Dirceu, José Genoíno e Dilma Roussef. Percebam que cito a ex-presos políticos, hoje mestres da sobrevivência em ambientes hostis, moldando ao entorno às suas vontades e ambições.

Tudo isto anda em companhia da homilia ao pós-modernismo, em grande parte, versão cultural e identitária do neoliberalismo. Dissolvem-se os grupos de pressão, bases programáticas, vindo tudo a ser mero casuísmo entreverado com interesse obscuro. Sem teoria, não se faz política, apenas polititica e fisiologismo. Sem organicidade, prevalece o indivíduo por sobre o coletivo. As duas afirmações acima, comuns e correntes entre os grupos da direita pós-Abertura, de 4 anos para cá tornaram-se prática hegemônica na “esquerda tupiniquim”.

O paradigma escorregadio está na ausência de orientação estratégica. A política cai na vala comum carecendo de instrumento apropriado. É correta a avaliação que a idéia de partido de tipo burguês, intermediário e negociador de demandas experimentando o auge da crise de sentido. Mas, a noção de minoria ativa, orgânica, origem e fonte do partido de quadros, também se encontra nas trevas. Assim, ao rejeitar a idéia de política parlamentar, joga-se fora a água e a criança junto. Ou seja, esta crise é de modelo e de teoria de partido de esquerda.

Na ausência de uma noção funcional e determinada para cumprir sua meta, prevalecem os indivíduos por cima das correntes. Ao associar a idéia de partido com a de partido de massas ou fisiológicos, a esquerda brasileira abandona a real possibilidade de câmbio profundo. Dado o talento nato para os rachas e divisões sem fim, é notável o ressuscitar de chefes políticos e pequenos caudilhos. Isto tanto nas frentes sociais como na esfera política. A marcha inexorável rumo ao individualismo sem fim, faz com que grupos, coletivos, correntes, tendências e até mesmo organizações políticas finalistas sejam algo em extinção.

Dá sua contribuição para a pasmaceira a “ciência” política conhecida nos corredores acadêmicos como “neo-neo”. Isto é, neoinstitucionalista e neoliberal, promovendo a venda casada de regime político com forma de produção econômica. O pior do cenário tenebroso, é que os expoentes da superficialidade democrática são ex-militantes arrependidos. Subestimando a própria experiência, decoram de trás pra frente a centenas de baboseiras colonialistas travestidas de conceitos analíticos. O coquetel de bobagens inunda ao temário da política brasileira, promovendo discussões vazias como a de uma possível reforma política sem uma base social para promovê-la.

Como nem tudo está perdido vai se reconfigurando a política como espaço orgânico e de discussão coletiva, mas por fora do jogo institucional. Reinventa-se a democracia real e participativa a despeito da ausência de participação na democracia ritual. Mas, para sair do brete, é necessário analisar os fatores que levaram a militância de Pindorama a se portar desta forma.

Cortar na carne será a busca incessante da autocrítica, retomando o debate estratégico. Recordando ao pajador da pampa, Carlos El Gaucho Molina, mais difícil do que mirar ao horizonte é mirar para adentro. Eis a tarefa urgente da esquerda brasileira.

Artigo originalmente publicado no portal 40 Graus






« voltar