Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O Partido paralelo nas entranhas do esgoto da sociedade 2


A estupidez de uma sociedade eu cinicamente insiste em dizer que lugares assim são “correcionais” só pode colher exclusão, violência e frustração. A vazante deste Tietê em fúria ganha a forma da rebelião da ralé criminalizada.



Na Nota anterior, iniciamos um esforço conceitual para caracterizar o PCC de uma forma justa. Ou seja, não com uma visão de academia elitizada, preconceito de classe ou soberba intelectual. Se conseguimos ou não, é outro tema, mas no reino das mediocridades pelegas que grassa e impera entre os trabalhadores do 4º setor, incluindo dentre estes, os de opinião e informação, cremos que o esforço por si só já válido.

Voltando ao tema desta segunda, o PCC é um fenômeno que tem de ser observado como al. Algo mais ou menos inovador, com grau de violência e confrontação com a ordem constituída muito superior aos seus sócios do CV do Estado do rio. No livro de Quatrocentos contra Um, escrito por William da Silva Lima, o Professor, fundador do CV, se nota que os ditos tempos românticos da rede de quadrilhas foram os quatro primeiros anos, justo quando o grau de enfrentamento com O estado era muito mais elevado. Bem, o PCC vem aumentando este grau de confronto, paulatinamente, ao longo dos últimos 10anos, e especialmente depois da mega-rebelião do Carnaval de 2001.

Condições e capacidade de buscar uma estabilização com os mandatários do sistema de segurança paulista existem. Portanto, porque não se dá nenhuma espécie de acordo, a não ser tratados assinados com sangue e sempre a partir da correlação de forças? Uma primeira resposta para esta pergunta, é saber se atender os direitos legais e constitucionais dos presos é uma reivindicação passível de ser cumprida? Uma segunda pergunta é saber se há vontade de exercício destes direitos? Obviamente a resposta para ambas é um sonoro e brutal Não!

Sendo assim, o que resta? Do ponto de vista legal as medidas necessárias de fato não serão tomadas. As famílias dos apenados continuarão a fornecer as lágrimas necessárias para aumentar a audiência dos programas de TV e rádio, especializados na tragédia alheia. Do ponto de vista policial, as forças da ordem sempre vão preferir a força bruta ao trabalho fino e a racionalização de recursos. Tanto ao nível nacional como nas polícias estaduais e agora com as guardas dos municípios. Portanto, a bola está com o PCC.

O sistema carcerário está em colapso, em condições desumanas e serve como fermento de mais e mais rebeliões. Afirmamos isso há dois meses atrás, quando escrevemos os artigos “O PCC e o mundo dos absurdos” e “A babel policial brasileira”. E, seguimos afirmando. O Partido do Crime é um fenômeno novo, organizador da vontade de vingança contra a sanha repressiva bestial dos porões da sociedade brasileira. Quanto mais estúpida for a reação do Estado, mais fatos políticos violentos serão gerados.

Quem interpreta corretamente antevê os futuros cenários. O depois já inútil, tão difícil de tragar como as declarações vazias daqueles tardiamente arrependidos, como o “Dr. Lembo da Mackenzie, O Azarado sincero”.

enviar •
imprimir •






« voltar