Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Tarsila do Amaral tornou-se o símbolo de um acontecimento do qual esteve ausente.


Uma das primeiras artistas brasileiras a adotar tendências modernistas em seu trabalho.

A frase que dá título a esta nota é do crítico de arte Jacob Klintowitz e refere-se à ausência de Tarsila do Amaral na Semana da Arte Moderna de 1922. Na época a artista que se tornou referência na arte moderna brasileira estava na Europa, estudando na Academia Julian (1921 – 1922). Tarsila participou ativamente da renovação da arte brasileira que se processou na década de 1920. Integrou-se ao movimento modernista e ligou-se com a questão da brasilidade. Mesmo que não tenha participado efetivamente da Semana de Arte Moderna, foi responsável pela criação de uma nova linguagem para a pintura brasileira.

De volta ao Brasil, após a Semana de 22, ao ser apresentada por Anita Malfatti, aos modernistas paulistas ela passa a integrar o Grupo dos Cinco. O grupo não durou muito, devido à ida de Tarsila e Oswald de Andrade à Paris, no ano de 1923. Fizeram uma parceria intelectual poderosa em que um alimentava a arte do outro. É a partir desa época que a artista passaria a conviver nos ateliês dos mestres cubistas André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger.

Suas telas eram então, nitidamente influenciadas pelo cubismo, mas impregnadas de uma brasilidade que se manifesta, sobretudo nas cores. Mais tarde sua devoção pelas paisagens da infância revela-se tanto em sua fase Pau-Brasil (1924) registrando cidades, paisagens e tipos comoventemente brasileiros, como nas estranhas figuras da chamada fase Antropofágica (1928). Esta última é resultado de um presente ao seu marido, Oswald de Andrade. Pintou o Abaporu, uma figura de cabeça pequena, braço fino e pernas enormes, tendo ao lado um cactus cuja flor se assemelha a um sol. O nome da obra vem do dicionário de Tupi-Guarany de Montoya: Abapuru em língua indígena significa “antropófago; homem que come carne humana”. Oswald elabora o Movimento Antropofágico e a pintura de Tarsila evolui. As formas volumosas, as cores exuberantes passam a ser a marca registrada da artista.

As últimas obras de Tarsila resultaram de sua viagem à União Soviética em 1931. Voltou marcada pelo que viu. Marcada o drama operário e a miséria das multidões. Ë desse período as obras-primas: Operários e 2a Classe. Chegou a ser presa por divulgar seus ideais políticos durante o período Getulista. Os quadros de sua chamada fase social registram dores imensas, estampadas em figuras miseráveis, injustiçadas. Sua brasilidade re-significa o chamado Realismo Socialista.

Posteriormente Tarsila limitou-se a revisitar suas fases anteriores, concentrando-se em temas como folclore e religião Tarsila do Amaral falece em São Paulo no dia 17 de Janeiro de 1973 com um legado deixado por poucos: a caminhada que buscava uma arte nacional.

--

Revisão,Bruno Lima Rocha.

Nota escrita porDanielaSoares, colaboradora desta página e editora detrecos&trapos.

enviar •
imprimir •






« voltar