Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Imbróglio Candango e os custos transacionais da política

blogflanar

O ex-PP, ex-tucano e futuro ex-DEM, José Roberto Arruda e seu vice e possível ex-aliado, o empresário do ramo imobiliário (como todos os poderosos de Brasília!), Paulo Octávio Alves Pereira, ele próprio ex-PRN (choque de Collor) e ex-deputado federal. A política profissional brasileira tem a ética dos mercenários, “não se deixe capturar, pois socorro não chegará!”. Arruda nada contra a maré do Paranoá. A tormenta apenas começa.

02 de dezembro de 2009, da Vila Setembrina do Rio Grande, por Bruno Lima Rocha

Mais uma vez a Polícia Federal expõe as entranhas da política profissional do país. Agora o imbróglio é candango, ocorrendo na capital inventada por JK e, possivelmente, tem origem na disputa entre um padrinho e seu ex-pupilo. Trataria da briga entre Joaquim Roriz (ex-PMDB, ex-governador do DF e ex-senador) e do atual governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM, ex-senador tucano que também renunciara ao mandato em função de flagrante) e seu vice Paulo Octávio, um dos homens proeminentes do governo Collor.

enviar •
imprimir •

Infelizmente, embora chocantes, ações de tipo espionagem e traição, tornando públicos atos de corrupção durante a campanha e no exercício de governo, não são novidade. Se as práticas de clientela, nepotismo, fisiologismo, corrupção ativa e passiva, espólio do Estado, fisiologismo e prevaricação são parte da vida política brasileira, o que falta é admitir isso. Especificamente, as práticas de caixa 2 de campanha (e uso privado das “sobras”) e de Mensalão, estão incorporadas aos custos transacionais da política nacional.

Quando em 2002 o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ), o homem a quem o presidente disse que entregaria um cheque e branco, se viu emparedado pelo então poderoso ministro José Dirceu, trazendo à tona um escândalo em forma de novidade. Supostamente, o pagamento regular por votações no Congresso seria uma “inovação”, comparando com as práticas da compra pontual de votos ou a concessão de rádios e TVs como moeda de troca. Ledo engano. A modalidade não era nova, a diferença deu-se na escala. O suposto Mensalão, pagamento régio ao baixo clero legislativo, teria sido aplicado primeiro no governo do tucano mineiro Eduardo Azeredo (1995-1998), também alvo de denúncia da Procuradoria Geral da República.

Se comprovada, a prática do Mensalão terá sido pluripartidária. Não se trataria de exceção, mas de técnica de relacionamento entre poderes e um recurso a ser utilizado mediante uma base parlamentar “exigente”. Para a moderna ciência política brasileira, estas são partes dos custos transacionais que faltariam agregar no conceito de presidencialismo de coalizão. Assim, a formação de maioria no Parlamento (não importando o nível de governo) como parte essencial das vitórias políticas do Executivo, implica em cobrir os custos e demandas dessa base. Visto que a norma não é republicana, mas patrimonialista, portanto esse investimento pode (por vezes, por muitas vezes), estar além da legalidade.

No caso brasiliense, Durval Barbosa materializa em sua conduta a três conceitos do vale-tudo na política profissional. Primeiro, pela expertise invertida que tem ao ser um ex-delegado de Polícia Civil e usar técnicas de investigação para a chantagem e a delação. Segundo, ao ocupar o cargo de secretário de Relações Institucionais, exemplifica a moral nada republicana ao travar relações mais que suspeitas ao gravar a si mesmo repassando dinheiro para empresários, políticos, jornalistas e secretários de estado. Por fim, por estar chantageando o governador Arruda, representa a traição na política e o ambiente sem regras desde que exista alguma saída jurídica no fim do túnel.

Para modificar as práticas políticas brasileiras é necessário compreender como é o Jogo Real, a norma e os custos que regem seus operadores.


Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar