Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O real custo Brasil na sexta economia do mundo

Humor La Carte

Em momentos de “aleluias” pelo crescimento da economia brasileira, é importante recordar que o Brasil está sob uma guilhotina chamada forma de financiamento. No país tupiniquim, os bancos praticam os juros mais elevados do mundo e o Estado financia a expansão do setor privado. A maioria da população ainda paga a conta dos privilégios de uma elite.

30 de dezembro de 2011, da Vila Setembrina, Bruno Lima Rocha

Dessa vez é para valer. O Brasil foi considerado a sexta economia do mundo, atrás apenas de EUA, China, Japão, França e Alemanha.

A julgar pelo fato de que as duas últimas potências são o esteio da combalida zona euro; do Japão permanecer estagnado desde meados da década de e os Estados Unidos serem hoje o mais desigual e menos produtivo dos países desenvolvidos, temos esperanças de crescimento e projeção ainda maiores.

A partir deste fato inegável, cabe uma reflexão crítica, para além da crítica por direita ou do ufanismo oficial.

enviar •
imprimir •

Se somos hoje a sexta economia do mundo em termos de volume de produção e riqueza circulante, estamos longe de ser o sexto país menos desigual e injusto do planeta. Nossa pirâmide social, ainda que com sensível diminuição da miséria absoluta, concentra renda e não distribui os benefícios da modernidade urbana. O problema é de fundo e implica uma opção não apresentada no cenário político profissional.

O crescimento brasileiro se dá em cima da exportação de comodities agrícolas em larga escala, do aumento do crédito para o consumo e da injeção de recursos estatais na economia.

Tudo iria relativamente bem (a exceção do modelo agro-exportador), caso não tivéssemos sob uma guilhotina chamada forma de financiamento.

O Brasil cresce através da rolagem de sua dívida, aumentando consideravelmente o papel do capital financeiro e comprometendo quase metade do orçamento executado pela União no ano de 2010.

Por um lado é verdade que a gestão do Banco Central no país é menos desreguladora do que na Europa e nos países anglo-saxões (e aumentara o controle sob a batuta de Alexandre Tombini), por outro é fato que ainda praticamos os juros reais mais elevados do mundo e que surfando na onda de nosso crescimento está o setor bancário, onde os bancos estatais praticam juros e taxas de administração na mesma escala dos comerciais.

A ciranda financeira alimenta o setor de crédito ao consumo e na ponta de cima da pirâmide, o Estado segue financiando a expansão privada, seja através de empréstimos a fundo perdido (como na fusão da Brasil Telecom com a OI), ou mesmo pela injeção direta nos consórcios público-privados (a exemplo da Usina de Belo Monte).

Somando esta injustiça estrutural com a carência do serviço público – estando a população brasileira sobretaxada e ainda não atendida de forma satisfatória – e temos o real “custo Brasil”.

Sobra para a maioria dos brasileiros pagar a conta da acumulação privada (oficializada) de recursos coletivos.

Este artigo foi originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat.






« voltar