Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Cenário complexo da crise política de 2015 - 1

guerrilheirodoanoitecer

A Globonews flagrara nas marchas de 15 de março faixas e palavras de ordem secundárias que, sem pudor algum, questionavam a legitimidade do atual governo e demandavam o retrocesso do Poder Moderador

24 de março de 2015, Bruno Lima Rocha

 

Neste texto seguimos com o debate para fazer um esforço analítico no sentido de ser o mais didático o possível e assim instrumentalizar o debate à esquerda do governo. Vamos começar com o tema da LEGITIMIDADE e na sequência, o início do debate quanto a QUALIDADE DA LIDERANÇA POLÍTICA.

enviar •
imprimir •

A legitimidade é uma meta a ser alcançada a cada dia, precisa ser conquistada, reconquistada e assegurada. Supera em relevância as regras do jogo institucional, pertencendo ao universo do Jogo Real da Política. Pois bem, a fragilidade do atual governo estaria, neste quesito, abalado em duas frentes. 

Primeiro, pela proximidade dos projetos estratégicos do governo (Pré-sal) com a suspeita e por vezes evidência de corrupção, onde os partidos oligarcas, as maiores empreiteiras e - aparentemente - também a legenda da presidente, tenha sido denunciado no mesmo esquema. Óbvio que isso não começou agora, mas para o cenário político, precisa do fato. A mesma ausência do fato que não atinge a presidente - ou "ainda não alcança" como constantemente fala o líder do Blocão, Eduardo Cunha, hoje um ator-chave na política nacional - impede a relação. Ou seja, entra como elemento de discurso o fato de que as suspeitas de corrupção na Era FHC na mesma Petrobrás jamais foram investigadas. O que importa ao cenário atual é que há esta suspeita e desta participam partidos da base do governo. Aí entra o segundo problema. 

Segundo, a fragilidade de um governo sob ataque e suspeita de corrupção não pode conviver com o acirrado discurso plebiscitário do 2o turno da campanha presidencial (em 2014) e depois o fato de haver rasgado o mesmo discurso (a vaca tossindo....) para ter condições de superar a crise econômica sem abalar os ganhos rentistas. Logo, fica difícil chamar o povo para a rua para defender este governo, sendo que o mesmo traíra aos seus eleitores ainda no final de 2014. 

Desta lacuna de legitimidade a direita ideológica e neoliberal se aproveita para atiçar o conservadorismo de estilo UDN e lançar a opção chilena na classe média brasileira e , retroalimentada pelos maiores grupos de mídia do Brasil, transforma-se em histeria coletiva viralizada na internet expandida no Brasil urbano e metropolitano. Na ausência de contraditório jornalístico e com o reforço do agendamento através da Lava Jato, a direita ideológica está cavando um perigoso espaço autônomo, sem depender dos líderes de carreira. Neste cenário, Aécio Neves se preserva como opção Capriles do país. 

 

Qualidade da liderança política e a encruzilhada do Brasil atual  

 

A qualidade da liderança política anda de braços dados com a solidão do exercício do poder. Engana-se quem imagina que o/a titular do Poder Executivo tudo pode e tudo sabe. E, engana-se mais ainda quem supõe que este/esta titular possa governar sem um atualizado e leal sistema de informações e, obviamente, um sistema de inteligência. Pelo visto, o Planalto está como uma peneira, vazando para fora e para baixo, tendo que garantir uma base "aliada"a fórceps e, sendo atropelado por distintos lados ao mesmo tempo. A qualidade da liderança de Dilma é incontestável para seu sistema de crenças, o mesmo não se pode dizer de seu carisma.

Para sorte da reeleita, a direita que não governa com ela não possui alguém com o carisma de um Lacerda e tampouco homens-bomba como a liderança esquálida da Venezuela. Por sorte da América Latina tampouco temos mais as Forças Armadas como Poder Moderador; mas, para desgraça de nossa população, a fraqueza da liderança e a inconsistência programática leva a atual titular a ser em parte refém de seus acordos pela tal da governabilidade e - em paralelo - para a opção preferencial pelos bancos.

 

Infelizmente a direita está nas ruas, de cara lavada e linguagem publicitária, caminhando para um perigoso desenlace de fim das políticas compensatórias (tímidas e com orçamento mínimo) através de uma linguagem de "união nacional" e unidade dos brasileiros; logo, com uma linguagem condenatória do debate das ações de reparações étnico-raciais além da renda mínima e ações afins. Na ausência de protagonismo de classe, quase tudo recai na ação distributiva do aparelho de Estado. Este é o alvo dos que se mobilizam pela ala direita da política hoje no Brasil.

 






« voltar