Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Alckmin, o tucano palatável


O bico do tucano mais bravio não atingiu a candidatura do preferido do poder tupiniquim.

Viamão, 14 de março de 2006

Após um longo calvário interno, tudo indica que o tucanato está, finalmente se decidindo. Em poucos dias, o eleitorado conhecerá o candidato com alguma chance de derrotar Lula no 2º turno. E, a não ser que um grande choque ocorra, este nome será o de Geraldo Alckmin. Restam detalhes sendo que todos passam por decisões pessoais de José Serra.

enviar •
imprimir •

Neste breve artigo, não nos propomos a fazer perfil nem trajetória política de ambos. Embora tenha alguma relevância, somos contra a excessiva individualização do ator político por fora de estruturas coletivas. A camisa de força na análise se dá com o excessivo peso no individualismo metodológico. Onde se parte da premissa que cada um é um ator com amplo grau de autonomia e cuja atividade-fim é maximizar seus ganhos. Isto, somado a um marco onde o que importam são os estudos institucionais, geram o pacote completo da análise do ambiente político, com pretensões científicas praticadas no Brasil.

Uma outra pergunta que caberia neste parágrafo é singela. Um leitor mais impaciente deve estar se perguntando, já bastante irritado, no que a matriz de análise e as disputas “científicas” tem relações com a indicação do PSDB?

Sinto dizer que tem toda e qualquer relação, a julgar pela individualização possível de dois dos cinco atores centrais nesta questão. Pelo caminho óbvio, chegamos aos seguintes nomes como políticos de peso próprio nesta difícil decisão. Como é mais que sabido, são eles: Aécio Neves, Tasso Jereissati, Geraldo Alckmin, José Serra e Fernando Henrique Cardoso. Os dois últimos, sabem de memória e operam como ninguém os conceitos da análise política. A soma da mente de ambos daria um supercomputador de última geração. No ambiente político, se partirem juntos com o herdeiro de Mário Covas Filho como presidenciável, está formada a super-chapa paulista para disputar o Planalto.

Peço um pouco de calma e também, se não for abusar da concentração de vocês, algo de atenção na teoria proposta. Prossigo afirmando que ambas tiras da mesma camisa de força analítica, nos parecem erradas desde o começo. Como se costuma falar na linguagem jurídica, estas premissas têm vício de origem, no caso, vício mesmo, a julgar por suas matrizes estadunidenses. Sobre estes cálculos simultâneos pesa um fator preponderante. Este tem o nome de constrangimento estrutural, na linguagem mais operacional também chamado de margens de manobra. Estas são estreitas desde a partida.

Para ampliá-las haveria de romper, através de saltos e choques, com o governo de fato. Este é o temor de alguns atores relevantes, fora do ambiente político e coordenados com eles. Citando o óbvio, este é o medo da ala mais à direita da Igreja, encabeçada pela Opus Dei e a Renovação Carismática. Tais setores, já bastante mesclados, aliados de fato da ala conservadora, se inclinam na direção de Pindamonhangaba. O mesmo acontece em um certo edifício da Avenida Paulista, onde fica a sede de 40% do PIB nacional, representada pela FIESP e aliada ao Sistema S. No ambiente midiático, o 4º poder com P maiúsculo no Brasil, o médico anestesista de origem árabe é hoje mais potável do que o economista de Cornell. O governador de São Paulo agrada as grandes redes, incluindo aí a preferência tanto de seus vizinhos de Morumbi, o Grupo Bandeirantes, como o ainda mais que poderoso conglomerado de comunicação, cuja sede fica no Jardim Botânico no Rio de Janeiro.

A Globo e os herdeiros de Roberto Marinho devem estar mais que arrependidos da capa da Época, lançada na pré-campanha eleitoral de 2002. Rendeu o ódio a José Serra por parte do clã Sarney; a promoção do então delegado federal Marcelo Itagyba à carreira política de vulto sendo hoje o secretário de segurança do Rio de Janeiro; e o abandono do PFL à campanha do sucessor de FHC. Sempre cabe a pergunta: “Se Serra pôde ter sido capaz de fazer isso com um aliado de oito anos, o que não faria com um opositor ou desafeto?”

Sintomas assim, somadas às preferências desenvolvimentistas oriundas de sua formação na CEPAL, fazem que os sócios majoritários nacionais do país prefiram o outro tucano. Isto sem falar nos laboratórios farmacêuticos, ainda amargando a perda de lucros com os genéricos e o apoio do então ministro da Saúde à quebra de patentes da medicação contra a AIDS.

Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho não fez em São Paulo e não fará no Brasil nada parecido. Seria um absurdo pintá-lo como ingênuo e incapaz. Nada disso é verdade. É sabido que o atual governador dos 40 milhões de paulistas têm capacidade administrativa e forte controle sobre sua equipe direta. Os sorrisos e gentilezas são parte do espetáculo, como aliás cabe a todo político de carreira, cuja profissão exige um talento de ator. A diferença com Serra não está aí, mas sim na forma de conseguir alcançar seus objetivos. À exceção da segurança pública, onde o governo de Alckmin exerce mão de ferro, em especial sobre a periferia paulistana, todos os demais setores são potáveis e plausíveis para poderosos interlocutores.

Já o filho de italianos nascido na Mooca e professor licenciado da Unicamp, é dotado de ímpeto e agressividade executiva. Um perfil como o seu, não apenas na fala, mas nos atos de governo, não se nota nem no mais agressivo dos parlamentares. Tucanos. Estamos falando do senador pelo Amazonas, bacharel em direito, diplomata e faixa-preta de Jiu-jitsu Arthur Virgílio Neto. Um cenário de pânico para opositores, desafetos e obstáculos seria Serra presidente e Artur Virgílio ministro da Justiça. Para aumentar o terror de muitos, imaginemos um ministro da Fazenda de confiança com a envergadura de um Luiz Carlos Bresser-Pereira, e está feito o entrevero.

Poder não ser dessa vez, e talvez nem chegue a acontecer. O candidato do Planalto será Luiz Inácio, o do PMDB só Deus sabe e nem Ele tem certeza e o dos tucanos muito provavelmente será Geraldo Alckmin. Para seu vice, alguém do PFL do nordeste, grande probabilidade para o senador potiguar José Agripino Maia. Ou seja, mantendo este cenário, tanto a campanha como o 2º turno oferecerá poucas surpresas. A única variável serão os problemas internos e as caríssimas negociações para ver quem leva para seu palanque a maior parte da legenda de Ulysses Guimarães.

Este analista gostaria de ver uma real polarização de idéias e propostas, mas muito provavelmente isso não vai ocorrer. Imaginemos apenas por alguns segundos uma disputa onde Serra concorresse contra Roberto Requião e algum petista que não fosse do Campo Majoritário. Neste cenário hipotético, veríamos algumas alternativas bem distintas, daquelas que o pleito de outubro nos oferece.

Do jeito que a coisa caminha, os rumos seguirão os mesmos. Caso Alckmin venha a sair vitorioso, poderia exercer a extrema sinceridade e deixar um ambiente cooperativo de co-governo. Ou seja, com os apoios que tem, bem podia manter Antônio Palocci auxiliando ao tucano Henrique Meirelles no governo de fato. Mantendo os rumos traçados desde Pedro Malan, ele e seu aliado do PFL, só teriam de se preocupar em acalmar o apetite do Congresso e manter a famosa “governabilidade”.

Se assim for, outubro será apenas mais do mesmo.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar