Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

As poucas margens de manobra e a vitória dos PMDBs

ministeriodaverdade

Orestes Quércia, Michel Temer, José Ribamar e Renan Calheiros. Esta formação de operadores políticos já é a grande vitoriosa nas eleições de outubro, ganhe Serra ou ganhe Dilma, estes capos tomarão posse de gordas e amplas parcelas do orçamento da União e cobrarão caro pela formação de maioria no mui nobre e leal Congresso Nacional

08 de abril de 2010, da Vila Setembrina dos Recuerdos de Lanceiros caídos e traídos em Porongos, Bruno Lima Rocha

Seja qual for o resultado eleitoral de outubro, os PMDBs já venceram a disputa na projeção do controle das maiores fatias do orçamento da União. Explico por quê. No Brasil, conformar maioria e conseguir a estabilidade da moeda tem um preço que seria impagável em uma sociedade soberana. Em meio aos discursos de tipo moralista, quando tanto Dilma Roussef como José Serra riscam as esporas na arena de estilo Jânio Quadros antes da renúncia, os limites reais para manobrar na política ficam escamoteados.

enviar •
imprimir •

Duas grandes margens constrangem a soberania popular no ato do exercício do voto e a conseqüente escolha de governo. Uma é o custo de formação de maiorias, tema polêmico cujo último escândalo dessa monta ganhara o apelido de Mensalão. A margem menos visível e de difícil compreensão para o grande público é o modelo de financiamento de curto prazo do Brasil, baseado em financeirização e transferência de recursos da sociedade para o sistema financeiro. Em ano eleitoral a primeira margem ganha musculatura, porque na hora de apostar as fichas e compor as chapas, o ambiente político e a obediência aos seus mandos subordinam até mesmo a Henrique Meirelles, o comandante em chefe do governo do Copom.

É difícil de admitir em alto e bom som, mas a verdade nua e crua é que governar no Brasil implica em, ao naturalizar estas margens de constrangimento estrutural e, por tanto, não confrontá-las, admitir dois tipos de alianças. Uma aliança implica em fazer “a opção preferencial” pelo capital financeiro em geral e o sistema bancário em específico. Do contrário, o fim de mandato pode se tornar uma roleta russa, sofrendo reveses simultâneos. Estes podem vir dos banqueiros da ciranda digital, executando ataques contra a moeda e retirada de fundos especulativos, aumentando o “risco” país e já condicionando a entrada do novo governo. Para quem pensa que exagero, basta recordar o ano de 2002 quando a disparada do dólar acelerou aos acordos de bastidores (nem tão velados assim) que levaram Antônio Palocci ao Ministério da Fazenda e o ex-presidente mundial do então maior credor privado do Brasil à presidência do Banco Central.

Outra aliança é o custo da tal da governabilidade. Implica em ceder às chantagens do cacicado das oligarquias partidárias que comandam o baixo clero do Congresso. No caso específico do pleito de 2010, a maior rede oligárquica nacional já demarca seu terreno. Com a derrocada do DEM, cujo canto do cisne deu-se através do desgoverno distrital do ex-tucano José Roberto Arruda e do ex-collorido Paulo Octávio, os PMDBs reinam sozinhos. Como craques da política imediatista, fazem o que na loteria ilegal se chama “cercar o bicho”, reduzindo a aleatoriedade das apostas. Dentro do seu governo federal, foi posto um freio às ambições de Meirelles, neófito nas hostes peemedebistas. Já na presença em palanques, o ataque é duplo. Enquanto o ex-governador Orestes Quércia declara apoio a Serra, seu operador de confiança, o deputado federal Michel Temer, naturaliza sua candidatura a vice de Dilma. Como se nota, dentro da política de curto prazo, ganhe Serra ou Dilma, os correligionários de Quércia, Calheiros, Jucá, Sarney, Geddel e cia. já cercaram o bicho por todos os lados.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar