Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O brete da esquerda sindical brasileira


Da fundação ao momento em que assume o Ministério do Trabalho, a CUT cruzou os passos marcados da institucionalização sindical, acomodando suas forças que já não ocupam as ruas.

2a, 19/03/2007, Vila Setembrina dos Farrapos, Continente de São Sepé

Toda a esquerda brasileira entrou em crise, tanto de objetivo como de identidade, após a eleição do presidente Luiz Inácio. É senso comum entre os sindicalistas a noção de que é mais fácil derrubar um pelego do que alguém com trajetória na classe. Como se dizia na Argentina dos anos ’70, “pior que um burocrata à frente de uma estrutura, é um burocrata heróico”.

enviar •
imprimir •

Mesmo sabendo que toda comparação histórica é um risco, vale a tentativa. Oriundo do berço do sindicalismo fabril contemporâneo, Lula, torneiro mecânico de formação, cumpriu todos os passos de alguém que veio da base. Antes de ser considerado um “autêntico”, foi interventor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo. Aceito e referendado como líder operário, cristalizou uma liderança onde movia massas e paixões. O então governador Paulo Maluf que o diga.

Após seguidas greves entre 1978 e 1980, os trabalhadores organizados entraram na reestruturação partidária convocada por Golbery do Couto e Silva, o bruxo da ditadura. Tamanha energia somada a falta de reconhecimento no MDB e nos partidos comunistas geraram primeiro o PT e três anos depois a CUT.

Sobrava espírito combativo e isso não é figura de linguagem. Na semana anterior ao 1º de maio de 1980, cuja concentração ocorreu em Vila Sônia, São Paulo capital, ocorreu um fenômeno visto apenas nas greves de 1917. Esgotou o estoque de armas de corte no ABC. Ou seja, a classe operária estava disposta a tudo, incluindo a luta direta contra a repressão.

O próprio nascedouro da Central Única dos Trabalhadores, em 1983, foi fruto de um racha na classe trabalhadora. A partir do 1ª Conferência Nacional das Classes Trabalhadoras, entre 21 e 23 de agosto de 1981, se definiram o Bloco Combativo (pró-CUT e anti-stalinista) e a Unidade Sindical (então formado por MR-8, PCB e PC do B, ainda ligado ao sistema federativo). No 1º Conclat, terminado em 28 de agosto de 1983, a CUT é fundada. Em 1986, a divisão mais à direita veio a formar a CGT, da qual a Força Sindical é herdeira direta.

A análise comparativa dos períodos históricos pára aqui. Ao contrário do momento atual, no final dos anos ’70 e inicio dos ’80, vivia-se um período de ascenção das lutas. O milagre econômico mostrava seus efeitos colaterais, as plantas industriais ainda empregavam milhares de trabalhadores e havia um sentido coletivo para buscar a derrota do regime militar. Após o 1º mandato de Lula, a sensação é oposta.

Não apenas a esquerda governando ao lado da Banca confundiu a todos, como a reestruturação produtiva fragmenta a classe trabalhadora. Para piorar, o ministro do Trabalho é ex-presidente da maior central sindical do país. Se o objetivo é domar a classe trabalhadora, adequando aqueles que ainda tem emprego formal para a perda de ainda mais direitos, então a meta vai sendo cumprida.

Mas, sendo a orientação reorganizar os trabalhadores, redefinindo formas de luta e defendendo direitos históricos, neste caso o tempo urge. Restam poucas alternativas, e a disputa por aparelhos e burocracias vai polarizar a discórdia ao invés de unificar as lutas possíveis. A esquerda do sindicalismo brasileiro precisa antes que nada juntar os militantes com trajetória ilibada e ainda com vontade de lutar. E, se preparar para uma longa jornada, voltando boa parte do tempo para a formação política e o trabalho de base. Até porque, este 2º mandato não terá grandes comoções.

Lula não vai repetir os erros de 2003, quando votou a Reforma da Previdência. A chamada flexibilização das leis trabalhistas será a conta-gotas, acompanhando o ritmo da queda na taxa de juros e as negociações do PAC. O detalhe é que o primeiro capital de giro para o Plano de Metas já está definido, e é o FGTS e o FAT. Se não reagirem logo, os trabalhadores mais uma vez pagarão a maior parte da conta.

Artigo originalmente publicado na Revista Voto, Ano 3, No. 30, página 42






« voltar