Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A violência das torcidas é o espelho dos cartolas

cbn

No domingo, 8/12/2013, as torcidas organizadas, Fanáticos (Atlético-PR) e Força Jovem (Vasco) protagonizaram mais um espetáculo de demência e covardia coletiva no jogo realizado em Joinville (SC).

19 de dezembro de 2013, Bruno Lima Rocha

 

A última rodada da série A do Campeonato Brasileiro de Futebol profissional nos fez lembrar um triste fenômeno, cuja ação é recorrente no país há mais de 35 anos.  Refiro às chamadas torcidas organizadas e seu fetiche pela demarcação de territórios simbólicos através da violência coletiva e risco físico. Estas agremiações, tanto em sua versão brasileira (com símbolos próprios e associação individual), como nas barras (estilo argentino de torcida, reproduzido no Rio Grande do Sul), infelizmente reproduzem o pior do conflito social entre semelhantes.

enviar •
imprimir •

Seria leviano isolar uma briga como a que ocorreu entre os Fanáticos do Atlético Paranaense e a Força Jovem do Vasco assim como não é correto afirmar que este fenômeno é conservador em todos os lugares do mundo. Embora não seja a maioria, na Europa é comum vermos torcidas (ultras) posicionadas mais à esquerda, motivadas pelo corte de classe manifestado entre torcedores de diversos clubes. Destacam-se o St. Pauli (Alemanha), Rayo Vallecano (Espanha), AEK Athens (Grécia), Olympique de Marselha (França) ou Livorno (Itália). Já na América Latina, e reforçadamente no Brasil, temos majoritariamente, apenas o lado nefasto.

 

O futebol como fenômeno de massa desta sociedade, reproduz em essência as regras do jogo real da política, a partir de uma elite dirigente descolada das bases associativas e grupos de pressão agindo em causa própria e comandada por arrivistas. A relação das torcidas com os cartolas, por sinal boa parte deles dirigentes “profissionais” de futebol ou que fazem do esporte um trampolim político e de negócios, é de clientela. Os chefes garantem a claque e os mandatários dos clubes, através de recursos de patrocínio, cotas de televisão e mensalidades de sócio-torcedor, colocam ônibus gratuitos e disponibilizam ingressos. Assim, em nome dos clubes, cria-se uma relação simbiótica entre torcida organizada e direção. Pela norma, tanto líderes de torcidas como cartolas de futebol não poderiam ser remunerados.

 

Se tivéssemos regras democráticas, com voto direto a todo sócio-torcedor e capacidade de referendo revogatório para dirigentes eleitos, nada disso estaria ocorrendo. A realidade nos diz o contrário. As torcidas têm hierarquia militarizada e relação de mando e privilégio para chefes. São populares, mas não têm democracia interna. O mesmo ocorre no comando dos clubes. Logo refletem no andar debaixo os desmandos da cartolagem na cobertura. No país do futebol, a bola é o espelho das estruturas de poder.

 






« voltar