Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Uma análise da “crise” e depressão na Espanha

cgt.org

Como resposta ao pensionazo e dos acordos de elite para acabar com o Estado de Bem Estar social, o sindicalismo alternativo, como o organizado pela CGT, convoca para o dia 27 de janeiro jornadas de protesto visando acumular forças para outra(s) greve(s) geral(is). A movida que recém começa pode entrar em uma escalada de intensidade na Península.

27 de janeiro de 2011, primeira redação realizada entre Donostia y Hernani – Euskal Herria, Bruno Lima Rocha

Estou na Espanha a trabalho e pude constatar, através dos meios de comunicação e conversando com acadêmicos e militantes sindicais, o tamanho do buraco onde este país foi metido através das “aventuras” da banca oficial jogando e apostando nos capitais de risco. A solução que vem da comissão econômica da União Européia (UE), do FMI e dos Estados-líderes não é boa para a maior parte do povo que habita a Península. A receita implicaria em aumentar a idade mínima para a aposentadoria (costurando o acórdão dos 67 anos); diminuir a ajuda do seguro-desemprego (reduzindo-o de 426 euros para 350); enxugamento da máquina pública em todos os níveis, com especial atenção para a redução dos orçamentos dos governos sub-nacionais, mirando nos gastos e endividamento das autonomias, batendo duro naquelas com pretensões nacionalistas como Catalunha, País Basco e Galícia; tudo isto sem falar em medidas privatizadoras e os acordos coletivos para a redução de salários. Esta última já ocorreu em Portugal, com os salários de servidores públicos reduzindo-se em 10%, sendo aprovada goela abaixo da classe trabalhadora e sem uma resposta a altura.

enviar •
imprimir •

A festa acabou e quem irá apagar as luzes será o segundo governo de Zapatero, primeiro ministro do PSOE – um partido outrora social-democrata, mas no momento, quando muito, um síndico dos desígnios da União Européia. As correlações de forças são relativamente simples de descrever. Alemanha e França põem no caixa comum da UE os fundos mais substanciais. Na Espanha em particular bancaram a festa do crescimento e da distribuição de renda – direta e indireta - num ciclo expansivo que tem como ano zero 1992 – Olimpíadas de Barcelona – e não sendo mais interrompido até o final do inverno de 2009. Segundo Angela Merkel e Nicolas Sarkozy, o Estado Espanhol demorou a reconhecer os problemas e tardou mais ainda em começar a apertar o cinto de suas contas públicas.

Aquilo que aparece como “crise” é de fato o reflexo da maior transferência de renda da história da humanidade, saindo do pagador de última de instância (os fundos dos Estados) e indo tapar o buraco dos bancos com pouca liquidez. O dinheiro que jorrava para gastos de todos os tipos, alimentando a bolha imobiliária, endividou a população e elevou as margens de lucro de bancos e empreiteiras a níveis inimagináveis. Agora, a “solução” apresentada como luz no fim do túnel é recessão, conformidade com o desemprego e aumento da precariedade no mundo do trabalho. A tensão social vai recomeçar.


Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar