Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A 1ª derrota de Yeda


Parte do governo de fato, a entidade Federasul forneceu o nome do vice-governador e dublê de chefe ocasional da oposição ao governo para o qual foi eleito.

3ª, 2 de janeiro de 2007, Vila Setembrina dos Farrapos, Continente de São Sepé

O dia 29 de dezembro marcou a história política recente do Rio Grande do Sul. É raro que um governante seja derrotado antes mesmo de tomar posse. Pois faltando dois dias da virada do ano, a governadora eleita Yeda Crusius (PSDB) sofreu uma contundente derrota na Assembléia Legislativa do estado (Alergs). Por maior que seja o paradoxo, a oposição foi capitaneada pelo representante do empresariado local e vice-governador eleito, Paulo Afonso Feijó (PFL).

enviar •
imprimir •

Estava em jogo na Alergs a votação do pacote econômico proposto pelo núcleo central do novo governo. Especulado ao longo da última semana do ano e anunciado na 4ª dia 27 de dezembro às 19 horas, o plano ganhou o apelido de Yedaço. Isto porque o programa de redução de custos reproduz aumento de alíquota de ICMS, atingindo três pontos percentuais para alguns produtos e serviços. Além deste aumento promovido por Yeda, no pacote permaneceria a alíquota básica de 17% no ICMS, aprovada por Rigotto em 2004, incluindo energia, telecomunicações e gasolina.

Como não bastasse, Yeda bradou o congelamento dos salários dos servidores pelos próximos dois anos. 58 dias após eleita prometendo choque de gestão, a governadora já quebra uma promessa de campanha, quando afirmou categoricamente que não promoveria aumento de impostos. Além disso, deixara os servidores em estado de alerta, preparados para reagir o quanto antes.

Mas, sendo justo na análise, o pacote até tinha aspectos positivos. Como foi derrotado na íntegra o Projeto Lei (PL) 258, por 28 votos contra 24, os demais planos foram praticamente abandonados no plenário. O PL 259 que criava um fundo de previdência perdeu por 32 a 4; o 530, criando o fundo de reserva, sofreu 33 a 0 e o PL 531, ampliando o tarifaço, foi derrotado por 38 a 2. Assim, a suposta maioria absoluta que aprovara o já falido Pacto pelo Rio Grande, não resistiu à pressão da mídia estadual, ao posicionamento agressivo do empresariado e a aliança de classes aceita pelo sindicalismo local.

Ainda na votação, um detalhe vale ressaltar. São 55 as cadeiras do parlamento local. Ou seja, basta fazer as contas e verificar que houve abstenção e ausência em todas as votações. Após a derrota do projeto central, de 15 a 22 deputados estaduais, refugaram do plenário. Para quem conhece a política gaúcha, estes parlamentares serão lembrados por muito tempo em função desta retirada.

Voltando ao pacotaço, este trazia novidades. Chegou-se a acenar com o corte da quase totalidade de CCs (cargos de confiança), optando pela convocação de FGs (funções-gratificadas). Mas, os cálculos políticos levaram ao núcleo central de Yeda a formularem a proposta de corte de 20% destes cargos e 30% da verba de custeio. Também seriam criados três fundos (previdência, reserva e de investimento), por fora do caixa único.

Foram três as dificuldades para a aprovação do Yedaço. A primeira é a forma de comunicação do staff de Yeda Crusius. Ao anunciarem o pacotaço em uma 4ª às 7 da tarde, após o fechamento de boa parte das redações, não levaram em conta o telejornalismo regional. Isto implica a desatenção para um aspecto central para qualquer governo. Imaginem um mandato que ainda não se iniciara e já entra em choque com a mídia local. O choque foi sutil, é verdade, mas ocorreu e ficou registrado.

A segunda dificuldade foi no relacionamento político. Indicado para a Casa Civil do novo governo, o deputado estadual reeleito Fernando Záchia (PMDB) trabalhou firme para a aprovação do projeto. Usou e abusou de sua condição de presidente da Alergs, cujo cargo renunciou no dia 1º de janeiro para assumir a Secretaria, e nem assim conseguiu a maioria necessária. Vale ressaltar que 48 horas é um tempo muito escasso para promover qualquer negociação. A base aliada ao governo, tremeu, a começar pelo ainda molesto PMDB do derrotado Rigotto e dos reeleitos Simon e Padilha.

Dentro da coligação Rio Grande Afirmativo, também houve defecções. Os tucanos gaúchos se aliaram ao PFL e ao PPS para candidataram-se ao Piratini. Menos de dois meses após a vitória nas urnas, a Frente Liberal abre voto contra o projeto e o PPS racha em dois, saindo de cena o quase-secretário Berfran Rosado e o ex-candidato ao senado Mário Bernd.

Não bastasse o problema das alianças diretas, três secretários já anunciados recusam o cargo em função do aumento de impostos. Um deles é o próprio Berfran (PPS) que assumiria a pasta do Planejamento, o segundo é Jerônimo Goergen (PP), homem de confiança e indicado pela Farsul para a Agricultura e por fim Marcos Lang (PFL), confirmado para a Justiça e Inclusão Social e chamado à disciplina pelo deputado federal Ônyx Lorenzoni, cacique local do partido.

A terceira e maior dificuldade é o fato do Yedaço propor perdas simultâneas para os trabalhadores, ao mesmo tempo em que corta benefícios cedidos aos empresários. Em relação ao empresariado urbano e rural, além do aumento de impostos, o pacote prevê a suspensão dos benefícios do programa RS Competitivo e o teto de R$ 300 milhões para a liberação de créditos de exportações. Ou seja, com mais impostos e menos financiamentos, a indústria, os exportadores e o agronegócio chiaram, e muito.

Declarando conflito à esquerda e à direita, o núcleo central do futuro governo se isolou dentro da racionalidade tecnocrática e perdeu. O grande vitorioso foi Paulo Afonso Feijó e os setores que o tem como representante legitimo no Piratini. Não por acaso, os mesmos que financiaram a campanha vitoriosa de Yeda Crusius.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar