Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Porto Alegre e a nova política gaúcha


A disputa pela prefeitura de Porto Alegre tem dois candidatos da base de apoio do governo Lula. O presidente ex-metalúrgico fará de tudo para se esquivar dos palanques a capital da província.



Bruno Lima Rocha

4ª, 08 de outubro de 2008, Vila Setembrina, Continente de São Sepé, Liga Federal

A eleição municipal na capital dos gaúchos foi o raio-x da "nova política" do Rio Grande. O que antes era polarização e debate acirrado, agora tem como marca a "marcha para o centro". No segundo turno de Porto Alegre, os dois candidatos são da base do governo Lula. O dualismo histórico deu lugar à era da "base aliada". Comprovo a tese analisando os três primeiros colocados.

O atual prefeito José Fogaça (PMDB) concorreu à reeleição junto ao PDT de vice, com José Fortunatti, um ex-petista histórico, e o PTB liderado pelo senador radialista Sérgio Zambiasi. Já a deputada federal Maria do Rosário (PT) aliou-se no primeiro turno ao PRB de Marcelo Crivella, embora o vice seja seu correligionário Marcelo Danéris. A terceira opção foi composta por legendas menores coligadas ao PC do B, com a deputada federal Manuela D’ávila à frente e tendo como vice o deputado estadual Berfran Rosado (PPS). O PSB entrou com a capacidade de articulação do deputado federal Beto Albuquerque, ex-secretário de Transportes do governo Olívio Dutra. Dos oito partidos citados, apenas o PPS está na oposição em nível federal.

É uma disputa complicada. Maria do Rosário terá problemas para alcançar Fogaça, que marcou 43,85% dos votos, e recompor a aliança com o que foi a Frente Popular. Vai precisar dos seus 22,73% de votos, mais os 15,3% de Manuela e ainda pelear pelos 9,22% dos votos que recebeu Luciana Genro (PSOL-PV). Para ficar corpo a corpo com o prefeito que em 2004 foi eleito pelo PPS, duas frentes se abrem simultaneamente. A primeira é caseira, tentando convencer Lula a participar da campanha. A segunda é com os ex-aliados. É provável que as executivas nacionais chamem na disciplina PC do B e PSB e as legendas subam no palanque de Rosário no segundo turno.

Para o PT, difícil mesmo será fazer dois movimentos. O primeiro é garantir o entusiasmo e carisma de Manoela quando Rosário bateu mais nela que em Fogaça ao longo da campanha. O segundo é afirmar a diferença com o PMDB. Rivalidades estaduais à parte, o fato é que a legenda de Padilha e Simon tem cinco ministérios em Brasília. E Luiz Inácio não vai trocar a sustentação de seu governo pela prefeitura de Porto Alegre.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat

enviar •
imprimir •






« voltar