Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Xadrez de Bombacha - 2

Viamão, 26/08/2005

Este artigo é a continuidade do publicado semana passada. Conforme dissemos, iniciamos esta análise a partir do ator coletivo mais complicado e dotado de maior número de variáveis. É onde o imponderável ocorre desempenhar papel fundamental. Sim, estamos analisando a interna do PT gaúcho e suas possíveis implicações no cenário político do estado.

enviar •
imprimir •

No dia 25 de agosto Olívio Dutra concretiza um sonho antigo. Unifica duas corrrentes nacionais, a Articulação de Esquerda (AE) e a Democracia Socialista (DS), para apoiar ao seu nome na eleição interna ao Diretório Estadual, no pleito para presidente do PT-RS. Somadas nesta aliança estão duas pequenas correntes regionais, a Esquerda Democrática e a Ação Democrática. Pelo espectro ideológico deste partido, podemos considerar esta composição como de centro-esquerda. À sua direita concorrem outros três candidatos, e o único que pode incomodar é o deputado estadual Estilac Xavier, representante do grupo de Tarso Genro, a Rede. Nacionalmente, os dois campos seriam a esquerda do PT, que não concorre unificada ao Diretório Nacional, e a direita, o Campo Majoritário, também conhecido no Rio Grande como PT Amplo e Democrático.

É no mínimo curioso observar as voltas dadas por esta história imediata e midiática. Há bem pouco tempo Olívio Dutra, então ministro das Cidades, estava para cair a qualquer momento. Terminou por acontecer o pior. O nome histórico do grupo fundador do PT, foi trocado por um tecnocrata indicado por Severino Cavalcanti. Cabisbaixo, Olívio volta ao estado, sendo recebido no aeroporto Salgado Filho pela militância órfã e desesperada por referentes. O ex-governador foi carregado nos braços de seus correligionários, cantou o Hino Rio-Grandense e se refugiou em seu apartamento. Seguiu a tática de outro gaúcho das Missões, que mudo ficou cinco anos na sua estância em São Borja. Olívio foi mais prático, refugiando-se em seu modesto apartamento na zona norte de Porto Alegre.

Enquanto Olívio costurava sua saída política, Tarso ia do céu ao inferno. De ministro da Educação gravitante e influente, foi atirado ao epicentro da luta interna. Pela frente tem de debater com a fragmentada esquerda petista. Desde sua trincheira, vive uma guerra de sombras com o "capa-preta" maior do PT, José Dirceu. Se não emplacar sua candidatura à presidência do PT pelo Campo Majoritário, ele e seu grupo cairão no ostracismo. Pelas mãos de Dirceu, Luís Dulci pode vir a ser o presidente do PT. Este movimento reposiciona a esquerda do partido, que talvez saia em bloco. Se isto não ocorrer, a luta interna se voltará para os estados, especificamente para um estado onde um candidato da esquerda do partido possa ganhar a eleição para governador em 2006. Uma destas possibilidades, talvez a mais forte, seja aqui no Rio Grande.

Com Olívio Dutra presidente do PT-RS, estão dadas as condições para a vitória nas prévias. Seu retorno terá impactos diretos em todas as forças políticas e sociais do estado. Vejamos. O primeiro impacto é sobre a própria militância petista, mobilizando amplos setores de classe média urbana, gente que faz política em época de eleição e não no dia a dia. Renovadas as esperanças, e livre das "más companhias", os setores mais militantes se alinham com ele. A aliança que governou de 1998-2002 resultou no poder de Estado concentrado na DS. As decisões estratégicas passavam necessariamente por seus organismos de direção. Caso esta aliança se repita, Raul Pont e Miguel Rosseto serão outra vez mais os homens fortes do governo.

Dada a aliança interna, a externa é previsível. O PT com a esquerda à frente retomará a Frente Popular, juntando-se apenas com seus aliados "naturais", PSB, PC do B e PCB. Ainda que o PSB marque posição em 1º turno lançando a Beto Albuquerque, este gesto será apenas pró-forma. Suas fichas estarão no 2º turno, assim como o dos demais partidos gaúchos. PDT, PPS, PTB, PP e PMDB; e em menor escala local PL, PSDB e PFL, tratarão de unificar esforços para derrotar Olívio. Ao que tudo indica, desta disputa estará de fora apenas a direita do PT no estado.

Opinião unânime entre as velhas raposas gaúchas, é o fato do PT ter de pagar uma conta cara nesta eleição. Dentro do estado, vai levar pau por direita e por esquerda. Haverá uma competição de denúncias entre os partidos tradicionais do Rio Grande e os ex-petistas do PSTU e PSOL. Indo mais à esquerda, Olívio candidato reposiciona as forças sociais e o movimento popular gaúcho, isolando a extrema-esquerda. Pode soar como o canto da sereia para alguns, trazendo de volta ao âmbito eleitoral gente que já está querendo ir muito além. Como este tema é complexo, será abordado na outra semana, no terceiro e último artigo da série.

Na eleição de 2002, uma gravação de Tarso afirmando peremptoriamente que não abandonaria a prefeitura de Porto Alegre para concorrer ao Piratini foi reprisada um sem número de vezes. Como Olívio está limpo, ataques diretos à sua pessoa serão evitados. Mas, além do mensalão de Brasília, a denúncia permanente serão os R$ 1milhão e 200 mil reais vindos de Marcos Valério e já reconhecidos pelo atual diretório estadual. Chumbo grosso e munição pesada vão sendo acumulados. Se Brizola estivesse vivo, aí sim o clima político dos pampas ia esquentar, e muito.

Certeza mesmo é que passou o encanto. Ainda que a esquerda do partido volte a governar o estado, no imaginário popular nada será como antes. Em janeiro de 1999 Olívio e Rosseto assumiam o governo hasteando as bandeiras farroupilha e cubana lado a lado, em pleno Palácio Piratini. Radicalizando de primeira, decretaram Moratória Unilateral das dívidas do Rio Grande. Tamanha fúria não durou nem três meses. Prometeram um mandato socialista e terminaram com um governo apenas correto. Se em 1998 as disputas eram de cunho classista, agora a paulada virá na forma de investigação policial. Sair deste brete será difícil. Talvez nem Martín Fierro saiba como.

Originalmente publicado no Blog de Ricardo Noblat






« voltar