Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O 2º turno e a projeção internacional do Brasil

fotosearch

A publicação neo-neo The Economist observa atentamente os rumos da 7a economia do mundo e a possibilidade de aumento de ganhos para os capitais voláteis

Bruno Lima Rocha, 26 de outubro de 2014

 

O país arde nos embates político-midiáticos. De um lado temos uma coalizão de centro-direita, encabeçada pelo PT e coligada com os oligarcas de sempre, que governa a partir de alguns pilares: keynesianismo tardio; bismarckismo tropical; pacto de classes e uma garantia de ganhos para os bancos, fundos de pensão e especuladores. De outro, a selvageria da restauração neoliberal, PSDB à frente, querendo impor regime de caixa, enxugamento dos gastos do Estado e sua máquina pública, além de voltar os ganhos quase que exclusivamente para o capital volátil (financeiro, especulativo) e sem política industrial alguma. Diante disso, como fazer tanto a crítica por esquerda do processo eleitoral e, ao mesmo tempo, formular uma posição distante do grande jogo do capitalismo no Sistema Internacional?! Não é tarefa fácil.

 

enviar •
imprimir •

O alinhamento do Brasil é uma das pautas em jogo nesta campanha. Esta é a razão de um dos arautos do neoliberalismo, a poderosa publicação inglesa The Economist, indicar o voto em Aécio Neves. Mais especificamente, este veículo que é porta-voz oficioso do capital financeiro, assim como o Financial Times (outra voz midiática da praça financeira de Londres), ou o Wall Street Journal (este operando em NYC), desejam ardorosamente a condução de Armínio Fraga à frente da 7ª economia do mundo. Não é à toa.

 

Hoje o Brasil é essencial ao G-20, é líder regional na América do Sul e Latina, parceiro preferencial da África do Sul (que sozinha é quase a metade do PIB africano) e Estado pivô no desenho dos BRICS. Tal rumo não foi criado pelo lulismo, embora as cabeças pensantes da Política Externa Independente (PEI) tenham sido catapultadas à condição de formuladores de política de Estado nos últimos três governos. O Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores, MRE), sempre fora atravessado por duas formas de ver a diplomacia e a posição brasileira. Uma é mais alinhada ao Ocidente e a potência de turno, fosse a Inglaterra, em segundo plano a França e desde o pós-guerra, os EUA. Outra, a Independente, vem oscilando entre tons e ações de envergadura, sendo esta PEI ressaltada nos governos de Jango, de Geisel e na era Lula-Dilma.

 

O que está em jogo no segundo turno das eleições presidenciais é o controle quase integral dos recursos da 7ª economia do mundo. Em escala planetária, trata-se de dois choques dentro do capitalismo. Um aponta para uma mudança de eixo da expansão capitalista, atravessada pelo crescimento de China, Índia, Rússia (em um nível intermediário), seguidos de Brasil e África do Sul. Outro eixo, o de domínio financeiro, é marcado pela conexão Nova York-Londres e opera a partir do capital financeiro e volátil.

 

Ressalto que aqui não está em jogo um projeto socialista ou mesmo de crescimento sustentável com protagonismo dos povos. São dois projetos capitalistas, sendo que no primeiro o Brasil se desenvolve e cresce dentro dos marcos do sistema e suas mazelas. Também não indico voto. A alternativa para os povos está longe da formas de globalização capitalista.

 

Artigo originalmente publicado no Jornalismo B, segunda quinzena de outubro/2014






« voltar