Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Criminalização da política e responsabilidades

solosemensaio.blogspot.com

As oligarquias políticas têm a tendência a agir por conta própria, mas para isso, sempre contam com a conivência de quadros médios partidários.

02 de outubro de 2012, Bruno Lima Rocha

O processo do chamado Mensalão sendo julgado no Supremo traz um debate de fundo. Este é o da responsabilização da militância pelas decisões tomadas por cúpulas partidárias. A saber, não me refiro apenas aos episódios que se tornaram públicos em 2005, mas também outras mazelas da política brasileira, como a manipulação do fundo partidário pelo PP (daí derivando o termo “malufar”) e os mecanismos semelhantes de formação de maioria nos governos de Minas Gerais (Mensalão Tucano, cujo alvo é o ex-governador Eduardo Azeredo, PSDB) e o do DEM no Distrito Federal (tendo como alvo o ex-governador distrital José Roberto Arruda). A tendência de parlamentares e comentaristas é tentar preservar as instituições partidárias e demonizar dirigentes. Não é tão simples.

enviar •
imprimir •

Qualquer estudioso da política sabe que o fenômeno das oligarquias partidárias é tão sério como antigo. A tendência ao insulamento, quando um grupo de dirigentes com dedicação a tempo completo isola-se dos demais quadros e consegue neutralizar os mecanismos de controle, é real. Mas, como todo estudante de ciências sociais em suas primeiras armas já sabe, toda estrutura é estruturante, e para que esta não se retro-alimente é necessário não apenas o debate interno, mas os embates pelo controle coletivo também. O problema é o pragmatismo político. É lugar comum pressupor a defesa da instituição, preservando sigla e legenda, mesmo que em detrimento de um programa histórico (no caso brasileiro, refiro-me a ex-esquerda outrora reformista). Daí a um racha, uma secessão fruto de incompatibilidade (incongruência) entre plataforma de campanha, política de alianças, missão de partido e formação de bloco de governo é inevitável. Qualquer semelhança com o racha do partido de Luiz Inácio e Dilma Rousseff não é nenhuma coincidência.

Muitas vezes, para evitar uma dissidência e o racha subsequente, atura-se a quase tudo em nome de alguma unidade de ação. Quando o pacto de convivência é mera convergência de interesses, o preço político é mais baixo. Tal é o caso da direita escancarada. Mas, quando o mesmo pacto implica em uma exposição de motivos preocupados com o bem-estar coletivo e alguma ideia de bom governo para a maioria, o pragmatismo político torna-se insustentável. É por isso que o que sobrou de militância no PT paga um preço alto pelo Mensalão, enquanto os aliados do PP e os opositores de PSDB e DEM passam despercebidos, mesmo estando “fichados” em atos semelhantes.






« voltar