Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Após a reeleição, a chantagem institucionalizada recém começa

buiquecia

Michel Temer representa a legenda aliada que pode chegar a paralisar o governo de Dilma Rousseff.

29 de outubro de 2014, Bruno Lima Rocha

 

Logo em seu discurso de vitória, a presidente reeleita Dilma Rousseff anunciou a necessidade de retomar o debate da reforma política através de um plebiscito. No dia seguinte desta fala, ainda na ressaca pós-eleitoral, o presidente do Senado, o ilibado e republicano Renan Calheiros (PMDB-AL), disse ser contra. Aproveitou para lembrar a ex-guerrilheira o fato do Congresso já haver repudiado tal ideia no auge dos protestos em 2013. Após esta fala, Dilma já apontava a necessidade de “flexibilizar” a pauta e a forma de encaminhá-la. Mais do mesmo.

 

enviar •
imprimir •

Costumo afirmar, sem risco de ser taxativo ou sectário, que o PT, quando necessita, faz campanha presidencial por esquerda e governa o Brasil por direita. Uma vez abandonadas as bandeiras do reformismo radical, ao optar pela composição de maioria para assegurar a tal da governabilidade, a legenda de José Dirceu rosna e recua, ciclicamente. Neste curtíssimo prazo após o pleito, o momento é de rosnar. O modus operandi é simples e se repete a cada quatro anos ou então quando se sentem acuados, com riscos de ficar sem legitimidade. Rosnam para a outra direita e governam com a direita que lhes convêm.

 

Agora, o partido de governo aproveita o embalo da convocatória popular – canalizado eleitoralmente – chamada às ruas para tentar frear a ascensão tucana e a conseqüente restauração neoliberal. Ao contrário do que vem sendo enunciado através de muita opinião publicada, o PT não está com flertes chavistas e muito menos bolivarianos. A meta é de curto alcance, flertando apenas com a motivação de seus cansados eleitores e também aos que votaram no 13 tapando o nariz, motivados pelo pânico ou voto útil. Tratam apenas de ganhar fôlego para dentro de si mesmo, aproveitando a sua “massa” mobilizada e a legitimidade de quem emplaca o quarto mandato consecutivo. Logo a chama apaga e fica a rotina de um Congresso conservador e agendado por demandas particulares e elitistas.

 

Na 3ª dia 28 de outubro veio a segunda derrota de Dilma. A mídia governista atribui à oposição de centro-direita a aprovação do Projeto de Decreto-Legislativo 1.491/14, de autoria de um parlamentar do DEM, derrubando o Decreto Presidencial 8.243/14, estabelecendo a regularização da Política Nacional de Participação Social (PNPS). Ainda que o projeto tenha sido posto em pauta pela pressão de PSDB, DEM e PPS, não se pode colocar este retrocesso na conta da “oposição” e sim do cálculo do PT ao se aliar com os setores fisiológicos e patrimonialistas, comandados pelos oligarcas de sempre e que agora vão promover a chantagem política como nunca.

 

Passado o susto da quase derrota, a pressão do PMDB só vai aumentar. Nunca custa conjecturar quanto às lealdades do partido de Michel Temer (vice-presidente!) e as possíveis projeções de uma evolução da CPI da Petrobrás e as chances de acuar Dilma com uma ação de impeachment. Admito que esta possibilidade não fora aventada por mim e sim por uma consagrada (e muito bem informada) colunista política da Província. Concordo com a mesma e antevejo o óbvio. O PMDB está faminto e podem restar poucos espaços de poder para a ex-ministra da Casa Civil de Luiz Inácio. A chantagem institucional só está começando.

 






« voltar