Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A análise internacional através de uma perspectiva libertária – 2

flacso.org.ec

Superar a contraofensiva neoliberal e, simultaneamente, evitar a armadilha da adesão às propostas de desenvolvimento a todo custo, são as duas premissas para a construção de uma teoria analítica e normativa, de base libertária, e apta para intervir nas realidades da economia política internacional.

Bruno Lima Rocha, para o Jornalismo B, segunda quinzena de dezembro, 2013

 

Como disse em artigo anterior, o ofício de analista de relações internacionais escrevendo em uma publicação avançada é um ato didático. Para o exercício de análise, a exigência sempre será a separação de vozes e posições. Muitas vezes, a análise vai de encontro ao pressuposto normativo. Ou seja, dizemos aquilo que nos é apresentado como visível e não o que desejamos. É a eterna colisão entre o ser e o dever ser. Para infelicidade teórica e desgraça dos povos, as esquerdas confundem-se todo o tempo, variando de uma filosofia política abstrata para um cinismo resultado de derrotas históricas e falta de possibilidades amplas. Isto ocorre, de forma rotineira, em duas áreas e interdisciplinas das Relações Internacionais onde atuo: os Estudos Estratégicos (com ênfase em Geoestratégia e Geopolítica) e na Economia Política Internacional (com ênfase na crítica a Globalização Financeira e em prol da Economia do Desenvolvimento).

enviar •
imprimir •

Assim como é impossível não nutrir simpatias pelos países outrora não-alinhados, tampouco é razoável aderir a propostas de sociedades baseadas no culto a personalidade, a lideranças carismáticas e autocráticas. O mesmo se dá no campo da produção, circulação, distribuição, usufruto e descarte de bens e recursos materiais, virtuais, físicos ou simbólicos. Fazer a crítica de como este processo desenvolve-se em escala global no modo capitalista de produção, a crítica da economia política original, não significa aderir a teses de capitalismo de Estado (vulgo “socialismo” real) e nem de longe considerar justos os sistemas de mal menor ou pesos e contrapesos.

 

A multilateralidade no Sistema Internacional é uma necessidade, portanto a Organização Mundial de Comércio (OMC) é a menos injusta da tríade que organiza a mundialização financeira. Afirmar isso e considerar que a presença do diplomata brasileiro Roberto Azevêdo como diretor-geral da OMC é um trunfo para o Brasil e os países do G-20, não significa que considere como aceitável o patamar de desenvolvimento proposto neste órgão. É válido como uma alternativa dentro do capitalismo globalizado, mas isso nem de longe se assemelha a qualquer tipo de internacionalização da produção no rumo do desenvolvimento sustentável, incluindo povos e culturas ancestrais.

 

O problema é que por vezes a crítica é mais urgente do que a proposição.  É preciso barrar a contraofensiva neoliberal; dissecar a criminosa Bolha Imobiliária de 2008 e suas terríveis consequências para o mundo, em especial para os direitos sociais duramente conquistados na Europa. Qualquer espaço tomado dos bancos, das agências de análise de risco e suas parceiras de informação planetária, dos grupos e fundos de investimento assim como toda a malha especulativa, sempre será algo positivo para o planeta. Mas, insisto. Isto não significa em aderir a teses keynesianas, artificialmente separando o capital produtivo do fictício. Criticar a economia bandida não é o mesmo que aderir a um “capitalismo mais humano”, se é que isso é possível.

 






« voltar