Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Duas dificuldades do PMDB no segundo turno

pmdbsp

Michel Temer e Orestes Quércia trabalham juntos para abrir portas distintas.

07 de outubro de 2010, da Vila Setembrina dos Lanceiros Negros traídos em Porongos e desaparecidos pelos mentirosos que também omitem a epopéia missioneira, Bruno Lima Rocha

No final da noite de domingo último (03/10) o país constatava que a eleição geral para presidente não estava definida. Na semana final da campanha, o crescimento da ex-petista Marina Silva (PV) retira votos da pobreza conservadora, impedindo a vitória em primeiro turno da herdeira de Luiz Inácio, a ex-militante do PDT, Dilma Rousseff. Na última segunda (04/10), todos os analistas e operadores políticos tentavam ver para além das inferências de opções de voto (as cada vez mais contestáveis pesquisas eleitorais), buscando identificar os possíveis problemas da situação para emplacar a sucessora.

enviar •
imprimir •

Isto porque, pela lógica, o governo ganha este pleito, não sendo nenhum absurdo categorizar José Serra (PSDB) como não-favorito. Pouco foi analisado um obstáculo para a vitória de Dilma, posto em cena antes do fator Marina. Trata-se dos custos transacionais para a manutenção da aliança com o PMDB em função da também possibilidade de vitória tucano-democata.

No que diz respeito da chapa majoritária da situação, não se trata de exagero e menos ainda de purismo conceitual categorizar a aliança com o PMDB como um acerto de ocasião. A dobradinha Dilma e Michel Temer (PMDB) não tem por base um discurso inaugural, algum mito fundador e menos ainda uma coalizão de fundo ideológico. Trata-se da reprodução da base de apoio dos últimos cinco anos, reforçada esta maioria quando José Dirceu deixa o cargo na Casa Civil, e o transfere para Dilma, no auge da crise política gerada pelo suposto esquema do Mensalão. É a mesma base que, em menor escala, resultara na inesquecível eleição para presidente da Câmara do então deputado federal pelo PP Pernambucano, Severino Cavalcanti. Também fora o mesmo momento político que indicara Márcio Fortes para ministro das Cidades de Lula, no lugar do ex-governador do Rio Grande pelo PT, Olívio Dutra.

Na crise do penúltimo ano de seu primeiro governo, ainda sem as totalizações que lhe renderam a vitória na reeleição - cujos números, repito, são incomparavelmente superiores aos de FHC - Lula cerca-se do então chamado núcleo duro e consolida alianças que fracionam o orçamento da União, comprometendo PMDB e PP para a tal da governabilidade. O problema agora no segundo turno de 2010 é a consolidação deste campo de aliança, mesmo sabendo que a legenda de Maluf está “neutra”. Esta resultante esbarra em duas dificuldades. A primeira é na proximidade entre as siglas de centro-direita e parte de seus caciques. Admitindo ser muito frágil a organicidade do atual partido do ex-tucano Sérgio Cabral Filho, torna-se impossível fechar com todo o PMDB. Assim, aumenta o caso a caso, amarrando palanque por palanque, tendo de costurar líder a líder e, mesmo assim, não conseguindo levar o partido inteiro nos estados.

Já o segundo problema é de ordem invertida, de baixo para cima, tratando da manutenção da aliança na área de influência do baixo clero. Resulta que, nos seus escalões menores, é costume encontrar governos locais ocupados por coalizões compostas por PSDB, PP, PMDB e DEM, dentre outras legendas. Não foi à toa que a União chamou prefeitos e lideranças municipais para expor os benefícios do PAC 2 pouco antes do início da campanha. O acerto neste caso é no varejo, por vezes tendo de ultrapassar obstáculos impostos por diretórios e líderes estaduais do PMDB.

Reforço o argumento afirmando o óbvio. Assim como não se pode esquecer o fato do PMDB haver governado junto com tucanos e à época pefelistas (hoje democratas), tampouco podemos afirmar que peemedebistas importantes não irão roer a corda em um eventual crescimento de Serra na reta final do segundo turno. Pelo visto, manter a aliança cultivada por Lula vai sair muito, mas muito caro.

Este artigo foi originalmente publicado no blog deRicardo Noblat






« voltar