Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

No país dos financistas, o Credit Suisse seguiu o exemplo de Mr. Meirelles


Logo da ilibada instituição financeira da Suíça, cujo representante informal no Brasil foi preso pela PF, atuando como operador cabeça-de-rede de captação de recursos e envio ilegal de dinheiro através de doleiros



Apresento aos leitores uma breve “ilação”, mais uma por sinal. No dia de hoje o Credit Suisse, uma das maiores instituições financeiras do mundo, anunciou perda de US$ 5,2 bilhões de dólares yankees. Perda líquida por sinal. O prejuízo veio em função de aquisição e empréstimos. Pura especulação imobiliária.

Simultaneamente, o Banco que perde dinheiro líquido (!) opera de forma ilegal na 11ª economia do mundo.

Na pena digital de Claudio Julio Tognolli, pode ser lida em detalhes a prisão de um funcionário cuja identidade não foi revelada (?!) – mesmo sendo maior de idade – que operava como captador de clientes no Brasil. A operação era relativamente simples. Uma “representação” do Banco suíço funcionava através de especialistas em captação de recursos financeiros voláteis. Como a instituição opera ilegalmente no país, a remessa das divisas era feita através de doleiros. O mesmo modus operandi de sempre.

Dito isso, juntemos às peças com as luzes e reflexos de alguma teoria válida e não fantasiosa. Primeiro vale constatar que nada disso é novidade. Doleiros operam com remessa ilegal de divisas e se aproximam de circuitos de dinheiro rápido não declarado. Um caso clássico de doleiro e financista de campanha é de Naji Nahas e o próprio PC Farias. Curioso e os motivos que levam a uma das cinco maiores instituições financeiras do mundo ter de captar dinheiro de forma ilegal em um país como o Brasil? Indo além. A queda de um operador implica o restante de outros, vários outros. Nenhum operador de campo atua sozinho, seja no ambiente financeiro, militar ou político.

Surpreende ver a PF punir aos aliados do governo de fato. No Brasil, quem governa é o Copom, sob a chancela de Luiz Inácio e através do Regente Henrique Meirelles. Foi o ex-presidente mundial do Bank of Boston acusado de envio de dinheiro ilegal, durante o ano da crise política, 2005. Após, devidamente blindado pela Suprema Corte (STF), manteve-se no comando da mola financeira que freia a economia real do país que deveria liderar a América Latina.

Vejamos o mapa dos títulos e a leitura indireta que nunca aparece de forma direta:

- Ex-presidente mundial do maior credor individual do Brasil é acusado de enviar dinheiro de forma ilegal.

- Acusado de envio de dinheiro ilegal e representante de banco credor brasileiro ocupa o mais importante cargo da economia do Brasil.

- O presidente do Banco Central, por sinal o acusado de lavagem pelo MPF, exerce a titularidade de três empresas financeiras nacionais e uma internacional para operações off-shore. Tais empresas operavam em conjunto com a subsidiária do conglomerado com matriz nos EUA, a Boston Comercial Participações Ltda. Acusam a Meirelles de estar na cabeça da lavagem de dinheiro de mais de R$ 1,4 bilhão de reais.

- Comparado com os desvios executados pelo Banestado – Banco Araucária, estes valores são baixos.

- Como prova de lealdade, Meirelles e sua equipe jamais divulgaram os nomes dos titulares das contas.

- Uma das cinco maiores instituições financeiras do mundo tem perda líquida superior aos 5 bilhões de dólares

- Esta mesma instituição opera com representantes no Brasil na captação de recursos e envio de dinheiro ilegal.

- O operador do Credit Suisse foi preso sendo acusado como cúmplice e partícipe do mesmo crime imputado a Henrique Meirelles. O ex-diretor de Política Monetária do Banco Central, Luiz Augusto Candiota, pedira demissão em agosto de 2004 sofrendo as mesmas acusações. Candiota serviu de “boi de piranha” para Meirelles.

- O ex-deputado federal eleito pelo PSDB de Goiás é o homem forte do governo há mais de cinco anos. As contas de sua campanha são no mínimo “difíceis de serem justificadas”.

Basta montar o quebra-cabeças e veremos o que há de estrutural no meio de tantas notícias supostamente desconectadas. Mr. Meirelles é o homem da Banca e do patriciado financeiro com sede no Planalto de Piratininga.

enviar •
imprimir •






« voltar